A força do capitalismo brasileiro no cenário global

A força do capitalismo brasileiro no cenário global

A dinâmica econômica entre as várias nações do mundo nas últimas cinco décadas cresceu a taxas excepcionais.  O comércio de bens e serviços expandiu-se em números superiores aos da produção, e levou as empresas brasileiras a experimentarem um processo contínuo de internacionalização.

 

Na última década, as empresas brasileiras vêm experimentando um processo crescente de internacionalização, que foi criado com a necessidade de proteger os seus mercados cativos da concorrência estrangeira, e que agora busca também a necessidade de criação de produtividade e competitividade.

Atualmente, deixamos de ser um país em desenvolvimento e fomos classificados em uma nova categoria: emergentes globais.

Somos um dos grandes expoentes da atualidade econômica, citados por uma renomada consultoria como uns dos quatro países que podem vir a se tornar grandes potências econômicas, ao lado de China, Rússia e Índia.

capitalismo brasil global economia mundialMesmo com o impacto da apreciação do câmbio, com a agressividade da China na promoção de seus produtos industriais e com os gargalos da infraestrutura portuária e aeroportuária, já somos uma potência global. Os números não nos deixam mentir.

A estabilidade econômica iniciada no meio dos anos 90 contribuiu e ajudou as empresas brasileiras a tomarem o mundo. Hoje, muitas companhias, em diversos setores, são líderes e despontam entre as mais bem sucedidas no ranking mundial.

Se no passado poucas empresas como Alpargatas, Gerdau e Sadia desbravavam o mundo sozinhas, atualmente somam-se a esta lista centenas de outras empresas, como JBS-Friboi, Brasken, Coteminas, Embraco, Natura, WEG, Metalfrio, Stefanini IT Solutions. Além, é claro, de grandes multinacionais como Ambev, Vale, Embraer, Votorantim e Petrobrás.

A Vale, por exemplo, intensificou o seu processo de internacionalização a partir de 1997, ano da sua privatização. A maior empresa de minério do Brasil desembolsou $13 bilhões para a compra da canadense Inco e se tornou a segunda maior mineradora do ranking global.

A WEG, empresa de Jaraguá do Sul/SC, fundada em 1961, possui o maior parque industrial de motores elétricos da América Latina, e tem negócios com mais de cem países, entre eles Argentina, México, China, Portugal, China, Índia, Cingapura, França e Estados Unidos.

A Ambev, por sua vez, comprou a cervejaria americana Anheuser-Busch, por $52 bilhões em 2008, criando a maior cervejaria do mundo. E recentemente, os sócios brasileiros da AB InBev compraram o Burger King, segunda maior rede americana de fast food, por $4 bilhões. Números como estes comprovam que o Brasil já é um concorrente de peso no cenário global.

E o papel governamental foi crucial.  Nas últimas duas décadas, o governo fez o papel de principal garoto propaganda dos produtos e empresas brasileiras. E a política de multilateralidade também ajudou.  Itamaraty e APEX facilitaram o processo de internacionalização das empresas, negociando a redução de barreiras alfandegárias e no estabelecimento de acordos comerciais.

Com este apoio foi possível consolidar mercados importantes, como EUA, China e Argentina, e abrir novos mercados, sobretudo na África e no restante da América Latina. E como resultado, as empresas transnacionais brasileiras já obtém mais da metade de suas receitas provenientes das vendas externas.

Segundo pesquisa da Fundação Dom Cabral (2010), os resultados das 23 maiores empresas brasileiras com negócios no exterior já somam $126,4 bilhões em faturamento, e 200 mil funcionários. Isso dividido entre América Latina (53%), Europa (17%), Ásia (15%), América do Norte (9%), África (5%) e Oceania (1%).

Quando analisado pela ótica do percentual de ativos que a companhia possui no exterior, os números também impressionam. Gerdau, Ibope, Vale, Tigre e Metalfrio atingem o percentual médio de 47%.

A experiência de sucessivas crises nas décadas de 80 e começo de 90 fizeram dos empresários brasileiros grandes experts em desbravamento de novos mercados. Aprendemos que a internacionalização não seria apenas um mecanismo de busca de novos mercados, e sim um instrumento de defesa de território dos mercados domésticos.


Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Authored by: Carlos Araújo

Despachante Aduaneiro, formado em gestão Financeira e Pós-Graduado em logística e Comércio Internacional. Presta consultoria para empresas de comércio exterior em logística aduaneira e procedimentos alfandegários de alimentos, bebidas e veículos. É autor e editor de conteúdo do ComexBlog.

  • A primeira coisa que um lutador de Box aprende é a defender-se, depois encontrar o ponto fraco do adversário e nocauteá-lo com um soco certeiro. A fusão de empresas e quebra de barreiras geográficas é uma consequência da globalização. Quem não é capaz de acompanhar o ritmo, logo é incorporado por outro empreendedor mais ousado, atualizado e inovador. Todo o crescimento no Brasil relatado acima foi possibilitado pela criação de uma moeda estável, o Real, e pela disseminação de um plano de desenvolvimento sustentável, com responsabilidade social e ambiental que conquistou o respeito do mercado consumidor internacional. Este, iniciado já no governo FHC e continuado com muita maestria e surpreendente carisma pelo Presidente Lula. Tudo isso, creio eu, reforçou toda essa campanha de venda dos nossos produtos, o que não passa de uma obrigação do governo, parte das suas muitas funções como dita a Carta Magna. Observem que os países que formam os BRICS são ou donos de grandes riquezas naturais, ou de considerável potencial energético (tradicional ou alternativo), ou de força militar e política, ou de hegemonia cultural, ou de desenvolvimento tecnológico ou de um grande mercado consumidor interno. Após a Revolução Industrial, a Francesa e as Guerras Mundiais que reorganizaram os blocos econômicos e redefiniram as lideranças sucessivamente, estamos diante da Revolução dos Valores, que está desconstruindo antigas concepções e apontando novas lideranças a partir da preocupação com a vida no planeta pós-efeito estufa.

  • Nilma Dias

    Muito interessante.

    Também acredito muito no meu país.

    Acho que temos grandes chances de sermos um grande polo da economia mundial algum dia.