A Logística Verde e o Custo Logístico

A Logística Verde e o Custo Logístico

A logística Verde, conceito definido em tópico passado desse blog, está relacionada a iniciativas e preocupações com os aspectos da atividade logística e seu entorno (sociedade, meio ambiente, economia, etc.). E a primeira e grande preocupação dos administradores e tomadores de decisão são os custos associados a essas iniciativas. É na avaliação do trade-off entre o verde e o financeiro que está o ponto crucial dessa forma de se fazer logística.

Inegavelmente, um dos propósitos primais da logística é reduzir custos (especialmente de transporte). Entretanto, as estratégias de redução de custos são usualmente antagônicas à consideração da variável ambiental na gestão empresarial. Um exemplo bem simples seria a programação de entrega de produtos usando uma frota de veículo antiga ou uma frota de veículos renovada. Certamente a aquisição da frota antiga é mais barata do que a aquisição da frota renovada.

O que acontece é que os custos relacionados a possíveis economias logísticas não “somem”, não evaporam no ar, mas são externalizados no sistema. Isso quer dizer que quem assume essa diferença de custo é o meio ambiente, com consequências como maior emissão de CO2, maiores riscos de vazamentos e acidentes, destinação irresponsável dos insumos, maior geração de resíduos, entre outros. Como o meio ambiente é uma fonte não renovável de geração de recursos, esses custos causam prejuízos irreparáveis à nossa geração e às gerações futuras.

A adoção de politicas de logística sem a consideração ambiental – consequentemente mais baratas, causa uma primeira percepção do usuário, do consumidor e do gestor de benefícios na redução dos custos financeiros diretos.

Entretanto, o fenômeno hoje é que a sociedade está cada vez menos propensa a aceitar e absorver esse custo irreparável, e a pressão tem invariavelmente crescido para inclusão de considerações ambientais nas operações logísticas. Por tal motivo, a preocupação com a preservação do meio ambiente está diretamente relacionada à sobrevivência das corporações.

Outro ponto que é mais difícil de ser mensurado diretamente é relação entre o investimento em políticas ambientais e os retornos financeiros da empresa. Segundo avaliação do DSJI (Dow Jones Sustainability Group Index), o índice de benchmark mais reconhecido mundialmente na questão de sustentabilidade e responsabilidade ambiental, baseado na análise dos desempenhos econômicos, ambientais e sociais (com pesos iguais para as três variáveis) de mais de 3000 companhias globais, as empresas que adotam procedimentos operacionais com vistas a reduzir os impactos ambientais de suas atividades estão obtendo em geral um maior retorno financeiro. Para comprovar essa relação, foi realizado um estudo por pesquisadores da Universidade de Granada na Espanha, disponibilizado gratuitamente aqui (disponível em inglês) utilizando a base de dados do DSJI. Segundo os pesquisadores, em uma avaliação de curto prazo, a correlação entre o desempenho econômico e o investimento em alternativas ambientais é negativa. Ou seja, o desempenho econômico é prejudicado com a implantação de políticas ambientais nos primeiros anos.

Assim, para que a adoção de políticas ambientais torne-se vantajosa é necessário que haja uma readequação da mentalidade de investimento das companhias, tornando-as capazes de absorver e avaliar objetivos de longo prazo.

Quem pode desempenhar um papel importante nesse aumento de capacidade de percepção dos benefícios das políticas ambientais é o governo, com a adoção de medidas legais e financeiras que beneficiem as práticas ambientais.

Por Thiago Barros Brito: doutorando em Engenharia Logística na USP, e mestre em Engenharia de Produção, ambos com foco em Logística Global , Cadeia de Suprimento. Atualmente é pesquisador da USP, onde pesquisa métodos de simulação e otimização. Baseado em Sao Paulo, também é sócio da Genoa Consultoria Logística.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).

  • excelente texto e análise conjuntural. resta saber se o governo vai atentar para a importancia desse tipo de medida.