Arrecadação de impostos continua crescendo

arrecadação de impostos no BrasilNesta segunda-feira, 30 de agosto, os brasileiros terão pago em 2010 a soma de 800 bilhões de Reais em impostos. O número assustador é resultado de cálculo feito pela Associação Comercial de São Paulo através do Impostômetro, que soma os totais da União, estados e municípios. A estimativa de arrecadação para o ano de 2010 é de mais de R$ 1 trilhão, como já vem ocorrendo nos anos anteriores.

Com este dinheiro, segundo cálculos da ACSP, seria possível asfaltar quase 800 mil km de estradas, ou construir 70 milhões de salas de aula equipadas, ou contratar 70 milhões de professores para o ensino fundamental por ano, dentre outros.

O economista do Instituto de Pesquisas Fractal afirma, no entanto, que o Brasil não é poupador e o orçamento em termos de investimento é quase metade do valor da corrupção. Enquanto o Brasil está prestes a alcançar o posto de 7a maior economia mundial, nos perguntamos o que seria possível fazer caso tivéssemos as tão esperadas reformas tributárias e políticas.

Embora tenha quebrado o ritmo de avanço da economia brasileira, a crise global de 2008 ajudou o País a subir duas posições entre os maiores Produtos Internos Brutos (PIB) do mundo, de décimo em 2007 para oitavo lugar no ano passado. Estimativas recentes da Bloomberg apontam que a soma das riquezas geradas em território nacional entre o segundo trimestre de 2009 e o primeiro de 2010 atingiu US$ 1,8 trilhão, deixando a Espanha mais para trás e se aproximando da Itália, a sétima colocada. De acordo com economistas, o Brasil se favoreceu de uma retração dos “rivais”, da valorização do câmbio e precisar superar desafios antes de se consolidar no grupo das sete maiores economias do mundo.

Segundo números do Banco Mundial, o País galgou uma posição em 2008 ao ultrapassar o Canadá e outra em 2009, quando a Espanha viu o seu PIB retrair de US$ 1,60 trilhão para US$ 1,46 trilhão. Se o país ibérico tivesse apenas mantido a atividade econômica, ainda estaria à frente do Brasil, que somou US$ 1,57 trilhão em 2009. Para o economista Celso Grisi, a subida não foi “mérito” de uma economia em forte ritmo de crescimento.

2030
Um estudo da consultoria PricewaterhouseCoopers já apontou que o Brasil deve ser a 5ª maior economia do mundo em 20 anos, acompanhando o avanço dos países emergentes. Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, essa posição já pode ser alcançada na próxima década. No entanto, esta trajetória pode ser desviada por problemas internos. De acordo com Gallo, o Brasil andou de lado por décadas e agora está no rumo certo, mas deve resolver os gargalos de infraestrutura.

“Crescer de maneira desenfreada não adianta porque não temos base. Não somos um país poupador e o orçamento em termos de investimento é quase metade do valor da corrupção. Como vai crescer sem energia, com portos caros, sistema tributário horrível e uma gastança enorme do governo? Se não tirar isso da frente, o sonho de ser a quinta economia pode não ser possível”, afirma Gallo.

Mais impostos

Com a cifra de R$ 800 bilhões sendo atingida ainda em agosto, vemos um cenário de aumento de arrecadação: em 2009 a mesma quantia foi atingida apenas em 8 de outubro, o que indica que a arrecadação de tributos federais, estaduais e municipais está crescendo neste ano. Em 2008, tinha chegado nesta marca em 7 de outubro.

“Essa arrecadação tem duas fases: o lado positivo mostra que a economia está acelerada, mas em vez de tantas despesas deveria ter mais investimentos”, diz Alencar Burti, presidente da ACSP.

A previsão para este ano é que ocorra um novo recorde de arrecadação nominal em comparação com o ano passado, que foi de R$ 1,09 trilhão. O número representou um aumento de R$ 36,01 bilhões ante 2008.

Para conhecer mais sobre o quanto você paga de impostos, veja a matéria específica com uma tabela completa, separada por produtos.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).

  • Se tudo o que é arrecadado fosse realmente aplicado no que se deve (e não desviado) estaríamos BEM melhor!

  • Dierny Alves

    Eu acho as propostas dos três candidatos muita francas para o setor de logísticas, quem trabalha com isso sabem que não é só construir Aeroportos, Portos e melhoras as estradas Brasileiras para acabar o nosso gargalo logístico precisamos de muito mais. Seria uma maravilha a Ampliando os CVT’s e outros centros educacionais em todo o Brasil para qualificar os jovens que querem trabalhar nesse ramo de logística, comércio exterior, gestão portuária entre outras atividades. Rever as políticas de Exportação e Importação em relação à burocracia em torno dos processos e diminuir as altas taxas de impostos sobre as mesmas que são absurdas.