As limitações do Lote Econômico de Compras e como superá-las

As limitações do Lote Econômico de Compras e como superá-las

O Lote Econômico de Compras é a quantidade a ser comprada que vai minimizar os custos de estocagem e de aquisição, simultaneamente. Do ponto de vista da gestão de estoques, queremos mantê-los sempre baixos pois isso gera baixos custos de estoque. Por isso, é desejável fazer muitas compras de pequenos lotes. Por outro lado, existe um custo associado a cada pedido, e se fizermos poucos pedidos (de grandes quantidades), economizaremos no custo de pedido.

O problema é então equilibrar os custos totais (de estoque + de pedido) no seu valor mínimo, e isto é feito através do Lote Econômico de Compras (LEC). Se você quer saber como se calcula o LEC, veja a matéria Entendendo o Lote Econômico de Compras.

Apesar de muito prático, o LEC não é perfeito. Ele faz várias suposições que nem sempre são verdade (veja uma lista destas suposições na matéria anterior).

limitações do lote econômico de comprasSe por exemplo não podemos considerar que o recebimento do pedido seja instantâneo, a alternativa pode ser o uso da estratégia do Ponto de Ressuprimento (PR). O PR mostra o momento em que a empresa deve fazer o pedido (quando ela ainda tem estoque), para que o produto seja entregue no momento em que o estoque chegar a zero, considerando o lead time (tempo de entrega).

Outro problema que torna o uso do LEC restrito é o fato de os fornecedores darem descontos para compras de grandes lotes. Se o desconto for linear (dependente da quantidade adquirida, para qualquer quantidade), basta considerá-los, diminuindo os custos de estocagem. Caso o desconto seja por intervalos (preços diferentes para limites diferentes de produtos, sendo esta uma estratégia mais comum), utiliza-se o LEC aplicando os custos diferentes para cada intervalo: calcula-se tantos Lotes Econômicos de Compras quantos forem os intervalos dados pelo fornecedor.

Com uma matemática um pouco mais complexa, ainda é possível tomar as decisões de compras para vários produtos simultaneamente. Apesar de ser possível realizar tais cálculos “à mão”, o uso diário dessa técnica não é comum, e as empresas que dependem destas decisões geralmente utilizam programas de computador capazes de indicar as melhores combinações de produtos e quantidades.

Finalmente, vale destacar a importância de se manter um estoque de segurança (que deve ser apropriadamente calculado, e não um número escolhido ao acaso), para se proteger contra variações inerentes aos processos produtivos, de entrega e variações na demanda.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).

  • Diego Ferreira

    “Com uma matemática um pouco mais complexa” … qual seria essa matemática?

    • O problema é que não existe uma fórmula para tratar o LEC para múltiplos produtos como temos para um único produto.

      A forma mais usada é identificar o produto que requer entregas mais frequentes. Asseume-se que este produto estará presente em todas as entregas.
      Para os demais produtos, temos q identificar a frequência (em termos de pedidos do primeiro produto) em que ele deverá ser pedido.

      Um bom exemplo dessa técnica (e mais detalhes, claro) está disponível no livro do Chopra.

  • Elaine Pathely

    Quais os riscos que um lote de economico axpoe uma empresa? Exemplos.

  • Gabriel Gurgel

    Olá. A pouco tempo fui empregado na área logística de um empresa e estou usando as informações do blog/site para complementar o conhecimento que adquiri em meu curso técnico. Sem mais delongas (Pois meu horario de almoço está acabando, rsrs) quero agradece-los e insentiva-los a continuar com o blog/site.