Como criar competências logísticas globais – parte 1

Nesta série de dois artigos você verá o que são e como criar competências logísticas globais para uma cadeia de suprimentos. Confira a segunda parte da matéria.

Estes dois artigos são adaptações de um trabalho escrito por Aline Regina dos Santos.

1. conceito de Competência

Para iniciar o assunto das competências relativas à área de logística, faz-se necessária uma apreciação sobre o que vem a ser uma “competência”. Competências são definidas como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que conduzem a um alto desempenho. É importante observar que o conceito pode ser associado tanto às pessoas (a competência do indivíduo), como às organizações (as core competences) e aos países (sistemas educacionais e formação de competências).

Focamos nosso estudo nas competências associadas às organizações, em virtude da logística melhor enquadrar-se nesta área. Para ser chave as competências devem responder a três critérios: oferecer reais benefícios aos consumidores, ser difícil de imitar e prover acesso a diferentes mercados. A questão principal diz respeito à possibilidade de combinação das várias competências que uma empresa pode conseguir para desenhar, produzir e distribuir produtos e serviços aos clientes no mercado. Competência seria assim a capacidade de combinar, misturar e integrar recursos em produtos e serviços.

Este conceito enfatiza a competência como uma habilidade de desenvolver determinada atividade e combinar diferentes atividades, de forma a prover diferenciação no mercado onde atua.

2. conceito de logística

O conceito de logística desenvolveu-se no contexto militar, da França do século XVII, como área destinada ao suprimento e movimentação das tropas. Na área empresarial, esse contexto foi transposto inicialmente para a área de distribuição de produtos agrícolas, no início do século XX. Com as mudanças ocorridas no ambiente, aumento da competitividade, da oferta de produtos e da tecnologia, o escopo da logística ampliou-se para além da distribuição. Atualmente, a logística é definida como a parte da cadeia de suprimentos que planeja, implementa, e controla o eficiente e efetivo fluxo normal e reverso da estocagem de bens, serviços e informações relacionadas, entre o ponto de origem e o ponto de consumo, visando atender aos requisitos dos consumidores. (CSCMP, 2004)

Ou seja, a área de logística está relacionada com as atividades que contemplam o fluxo de materiais (produtos acabados, matérias primas, insumos), serviços e informações, desde o ponto de origem (fornecedor) até o ponto de consumo (consumidor).

3. Competência Logística

Considerando os conceitos apresentados, a competência logística seria a habilidade de desenvolver as atividades relacionadas a esta área, de maneira tal que possa gerar diferenciação no mercado. Cabe então, indicar quais são as atividades pertinentes ao escopo da logística. Segundo o CSCMP (2004), as típicas atividades da logística incluem:

Distribuição física de insumos (entrada) e produtos acabados e semi acabados (saída), gestão de frotas de veículos, armazenagem, manuseio de materiais, cumprimento de pedidos, planejamento da rede logística, gestão de estoques, planejamento de suprimentos/ demanda, e gestão de prestadores de serviços logísticos. Em diferentes níveis, as funções da logística também incluem compras, planejamento da produção, embalagem e montagem, e serviço ao consumidor. A logística é envolvida em todos os níveis de planejamento e execução – estratégico, tático e operacional. A logística empresarial é uma área de integração, a qual coordena e otimiza todas as atividades logísticas, bem como integra as atividades logísticas com outras áreas, tais como marketing, vendas, finanças e tecnologia da informação.

A competência logística pode gerar significativa vantagem competitiva em três dimensões de performance: eficiência, eficácia e flexibilidade. É possível obter valor estratégico à atividade desempenhada por meio da logística e tal valor não se limita a tradicional visão de redução de custos.

Para vislumbrar como a possibilidade de obter diferencial estratégico por meio da logística, o autor inicia sua argumentação com a apresentação de uma cadeia de suprimentos comum, como mostra  a figura a seguir.

De acordo com a figura, observam-se cinco processos genéricos desenvolvidos numa cadeia de suprimentos:

a)      Gestão de Suprimentos: responsável pela aquisição de materiais e serviços

b)      Produção – responsável por converter materiais em bens e serviços

c)      Logística – Responsável pela entrega de materiais e produtos acabados

d)     Serviço de Pós-Venda – responsável por dar suporte à entrega de bens e serviços

e)      Gestão da Demanda – responsável por prever, receber e cumprir pedidos

Muitas empresas enfatizam um ou mais processos para produzir valor, uma diferenciação seja em termos de produto, preço ou serviço. Sustenta ainda que as empresas, em geral, acreditam precisar das competências logísticas para agregar valor por preço ou serviço, diferente daquelas que possuem um produto com alto valor agregado, as quais podem não requisitar um nível de competência tão alto.

Considerando os diferentes níveis de aplicação da logística, uma pesquisa conduzida pelo Fritz Institute sugere o estabelecimento de uma competência logística global, a qual se desenvolve em três etapas, a saber: Nível I – Funcional; Nível II – Integração dos processos internos; e Nível III – Integração interna e externa.

Estes três níveis serão detalhados no próximo artigo da série, que será publicado amanhã. Confira.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).

  • Erasmo Pereira de Li

    Trabalho excelente de vocês na área de logística.Nesse sentindo, evidencio que os senhores estão prestando grande respaldo àqueles que estudam a logística.Vocês têm uma forma didática e interessante de abordar o assunto.Parabéns

    Tetxo corrigido. Desulpe e obrigado

  • Erasmo Pereira de Li

    Trabalho excelente de vocês na área de logística.Nesse sentindo, evidencio que estõ prestando grand respaldo àqueles que estudam a logística.Vocês um forma didática interssante de abordar o assunto.Parabéns

  • ginalva

    Criar competencias é um grande desafio,até por que envolve investimentos o que as empresas não querem fazer.Porém não há como ser competitivo sem mudanças.Adoro logística.

  • JUSSARA

    Vocês estão de parabéns.

    Esse site é bom mesmo, tá me ajudando muito no curso que tô fazendo.

    muito obrigada!

  • Pingback: Logística Descomplicada » » Como criar competências logísticas globais – parte 2()

  • Pingback: Tweets that mention Logística Descomplicada » » Como criar competências logísticas globais – parte 1 -- Topsy.com()