Condomínios logísticos

Condomínios logísticos

Os condomínios logísticos surgiram no Brasil na década de 90 para contornar, ou amenizar, muitos dos gargalos logísticos que são fatores importantes para o aumento de custos com operações de transporte e de armazenagem.

Cerca de 15 anos depois dos primeiros projetos a procura por esses empreendimentos deu um salto importante, pois as empresas perceberam as vantagens de ter suas operações logísticas mais próximas de suas zonas de distribuição e de consumo, mas longe de grandes centros urbanos com seus intermináveis congestionamentos, perto de áreas industriais cujo acesso às principais rodovias é bem mais facilitado.

Muito se evoluiu e, nos últimos anos, mesmo com a queda das atividades econômicas brasileiras, o setor se mostrou poderoso ao absorver impactos em algumas regiões sem deixar de ser visto pelas empresas como solução logística.

O que são condomínios logísticos?

São construções imobiliárias e ofertas de lotes de áreas destinadas à armazenagem e operações logísticas de empresas, que se instalam em galpões adequados às suas operações, e que encontram na locação toda uma infraestrutura com despesas comuns rateadas.

Geralmente os condomínios logísticos são construídos com propósitos especulativos, ou seja, um investidor empreende uma área com características flexíveis para atender diversas atividades e a lança no mercado, sem garantias de pré-contratos de locação. Porém, há também investidores que constroem visando a exploração de um único segmento ou única empresa e empresas que constroem para expandir suas atividades.

Quanto aos tipos de condomínios logísticos se fazem conhecer o monousuário, com galpões para atender um único cliente e o flex com galpões modulares.

Quanto à utilização dos condomínios logísticos, se fazem conhecer quatro classificações:

– Armazéns: são ideais para operadores logísticos e atacadistas, pois devido ao seu projeto modular possibilitam a instalação de estruturas porta-paletes;

Cross-docking: ideal para transportadoras por não trabalharem com estoques;

– Mistos: ideais para centros de distribuição, pois possuem estruturas diversificadas;

– Industriais: ideais para indústrias de diversos segmentos, pois permitem customizações de suas instalações.

Vantagens x desvantagens

As vantagens ofertadas por um condomínio logístico vão além da localização favorável e do rateio das despesas com áreas comuns e com a segurança e controles de acesso, passando pela utilização das áreas de apoio que incluem salas de reunião e treinamento, restaurante e ambulatório, que por si só já representam uma sensível redução nos custos, mas vão até as chamadas visibilidades comerciais e flexibilizam as operações e suas expansões.

A sustentabilidade dos condomínios também vem se tornando uma vantagem percebida em muitos. O reúso de águas pluviais, estações de tratamento de efluentes e medidas contra desperdícios atraem muitas empresas.

As desvantagens estão mesmo ligadas ao rateio dos custos fixos do condomínio, que podem representar um grande peso no caixa da empresa no caso de diminuição do número de condôminos, mesmo que seja temporária devido mudanças na economia.

A expansão

De acordo com dados da Consultoria Imobiliária Colliers International, esse tipo de empreendimento cresce a taxas de 10% ao ano no país, mas ainda está longe de áreas condominiais de países como o México (cinco vezes mais) e Estados Unidos (trinta vezes mais). Contudo, a expansão se acentua também na modalidade, pois os condomínios industriais também ganham força e agora surgem os condomínios de negócios que, além das instalações logísticas e industriais, possuem também escritórios comerciais, áreas residenciais e até áreas para lazer.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Foi Coordenador de Logística na Têxtil COTECE S.A.; Responsável pela Distribuição Logística Norte/Nordeste da Ipiranga Asfaltos; hoje é Consultor na CAP Logística em Asfaltos e Pavimentos (em SP) que, dentre outras atividades, faz pesquisa mercadológica e mapeamento de demanda no Nordeste para grande empresa do ramo; ministra palestras sobre Logística e Mercado de Trabalho.