Entenda o Lucro Brasil e o Custo Brasil dos automóveis

Entenda o Lucro Brasil e o Custo Brasil dos automóveis

Nos últimos dias, houve discussão e revolta em razão dos preços dos carros brasileiros em comparação ao exterior, principalmente de modelos semelhantes vendidos no México. Claro que a crítica mais fácil aponta para a ganância e o lucro fácil em nossas terras. No entanto, se deve exercitar um pouco de aritmética e procurar entender que a ineficiência de fatores produtivos em uma economia inclui implícitos como burocracia, cipoal legislativo, impostos invisíveis e corrupção.

entenda o lucro ou custo brasil automóveisAtentando apenas ao explícito, o Brasil se tornou um país caro com a política cambial que valoriza o real frente ao dólar. Qualquer um que viaje ao exterior sabe que do tênis ao quepe o preço é metade daqui. O real forte tem o grande mérito de escancarar as ineficiências brasileiras, ao contrário do passado de moeda fraca. Ao mesmo tempo o câmbio promove fortes distorções comparativas.

Indo mais longe, com ajuda da aritmética e do preço de um sanduíche: um automóvel compacto nos EUA custa 3.000 Big Macs; aqui, 1.500 Big Macs. Pode eleger o culpado que achar melhor entre o sanduíche muito caro ou o carro muito barato. Em 2003, um Fiat Mille custava US$ 4.821 e hoje, US$ 14.465. Para sorte do comprador, pagará em reais 54% mais (abaixo da inflação acumulada em oito anos). Já o preço em dólar triplicou, o que explica a dificuldade de exportar.

Mais importante, não dá para discutir o lucro sem saber o custo. Estudo mais recente da consultoria PriceWaterhouseCoopers, encomendada pela Anfavea, tomou a China como o país de referência. No México, o custo total de produção é 20% maior e no Brasil nada menos de 60%. Dessa forma, o País precisa acordar, pois fica difícil competir frente a esse abismo.

Para comparar preços em dólares no mercado doméstico mexicano é preciso cuidado. As vendas de veículos novos estão atrofiadas (apenas 800.000 unidades/ano, 80% menos que o Brasil) pela concorrência predatória de carros seminovos e usados dos Estados Unidos, mercado gigantesco e de impostos baixíssimos. O preço do usado segura o do novo, à custa de empregos na indústria. O próprio México tem carga fiscal bastante inferior, bem como todos os países vizinhos do Brasil. Para agravar, nos últimos cinco anos o real se valorizou 29% e o peso mexicano caiu 16%, ambos frente ao dólar.

MERCADOS DIFERENTES
Interessante como ninguém teve a ideia de confrontar com a Europa. Vende-se o Fox paranaense na Suíça, em francos, pelo equivalente a R$ 28.000 (sem rentabilidade, segundo a VW) contra R$ 38.000 aqui, no mesmo nível de equipamentos. A diferença é a carga fiscal, porém a tese aloprada do Lucro Brasil só permite exemplos do México ou da Argentina.

Por falar no país “hermano”, os compradores argentinos ganharam um bem humorado apelido nos tempos em que o Brasil fazia maxidesvalorizações de sua moeda. Eram os “Da-me dos” (“Levo dois”, em português), pois entravam nas lojas e de tão barato levavam duas unidades de tudo. Que pena não podermos ir ao México comprar dois carros pelo preço de um e exportar para o Brasil sem ônus fiscal.

Em resumo, com impostos e ineficiências brasileiras, temos o carro mais caro do mundo; com carga tributária justa e sem o Custo Brasil, a história seria outra.

O que você acha? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

 

Por  Fernando Calmon: engenheiro, é jornalista especializado no setor automobilístico desde 1967, quando produziu e apresentou o programa “Grand Prix” na TV Tupi, no ar até 1980. Dirigiu a revista AutoEsporte por 12 anos e foi editor de automóveis das revistas O Cruzeiro e Manchete. Entre 1985 e 1994, produziu e apresentou o programa “Primeira Fila” em cinco redes de TV. A coluna Alta Roda, criada em 1999, é publicada semanalmente — na internet, é exclusiva de UOL Carros. Calmon também atua como consultor em assuntos técnicos e de mercado na área automobilística, e como correspondente para o Mercosul do site inglês just-auto.

Fonte: UOL Carros

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).

  • Ricardo

    eu tenho um gol 97 quitado e uma biz 2008 quitada e digo… fico com o meu mesmo e vou mantendo meus veiculos pois antes depositar todo mês a parcela de um carro novo popular que não vela nada… for para comprar carroça fico com meu gol bola mesmo… somos explorados no brasil… la fora ninguem que comprar esses modelos que chegam aqui pra gente…

  • palhaço

    Se ninguém quer regular o mercado brasileiro de lucros exploratórios,

    em todas as áreas, que vão todos tomar nos devidos lugares, pois eu tô fora.
    Paguem essa conta pra mim otários, pois eu cansei.

  • Lucianoxavier

    Nem com toda a ineficiência do mundo, nem carga tributária absurda e imposto de importação, nada explica um ford  
    fusion hybrid custar U$ 25.000,00 nos EUA e R$ 134.000 ( U$ 75.000,00) no Brasil

  • na minha visao é simples.
    o governo cobra a taxa altissima, e para nao desagradar as montadoras daqui, coloca como impossivel importarmos os carros de fora.
    moral da historia: as montadoras colocam o preço que querem. e o governo daqui protege, como se a industria fosse nacional. é absurdo.

  • Eric

    O cara que escreveu isso é jornalista mesmo?

    Putz, que redação horrível. Falta de coesão nas frases. Interligação entre os argumentos muito fraca.

    E o pior, a exposição de motivos dele é espúria.

    Péssima matéria e completamente sofística. Tenta tornar verdadeiro um argumento falso a partir de associação de premissas verdadeiras.

  • Diego

    Existe um fator preponderante para os preços absurdos no Brasil, de todos os pontos. Como já se diz nos preços absurdos de imóveis aqui em Brasília, um apartamento de 50m² custa em torno de R$700.000,00, tem sempre um otário que aceita pagar a conta. É disso que os preços brasileiros vivem, de otários.

  • Rosana

    "Vende-se o Fox paranaense na Suíça, em francos, pelo equivalente a R$ 28.000 (sem rentabilidade, segundo a VW) contra R$ 38.000 aqui, no mesmo nível de equipamentos." <- até dei gargalhada nessa parte aqui.
    No Brasil, direção hidraulica, ar condicionado, vidro elétrico E ATÉ TAPETE são opcionais. Lá fora, além destes que citei até airbag e abs são todos de série, sem falar que eles sequer devem conhecer carro 1.0.
    De que planeta o autor deste texto ridiculo veio pra achar que carro brasileiro tem os mesmos equipamentos que lá fora? pff.

  • Idalécio

    aham… tá certo… então por que o honda city feito no interior de são paulo é vendido no méxico pela METADE do preço daqui? e porque um importado – ANTES das novas alíquotas – que sai da Coréia é vendido aqui pelo DOBRO dos nossos países vizinhos, já que a carga tributária representa (ou representava) apenas 30% do valor total do bem?

    E outra: até parece que nos outros países não existem impostos e custos de produção, isso é coisa só do Brasil. Aqui é mais alto? é. Mas pode ter certeza que existe em qualquer país do mundo.

    Acho que dá, no máximo, para dividir a culpa pela GIGANTESCA disparidade de preços praticados aqui e lá fora entre governo e montadoras, isto na pior das hipóteses

  • Luis Carlos Pereira

    Desculpa esfarrapada, falou falou, não convenceu, e o LUCRO BRASIL não é só nos carros não, ontem foi lançado o iPhone 4S nos EUA por $199,00 , aqui nenhum iPhone no lançamento custou menos de $1.000,00.
    Que imposto é esse q aumenta em 500% o valor de um produto?
    Carros q custam 250 mil dólares na Europa, são vendidos aqui por quase 2 milhões de reais…
    Não existe explicação.

  • Além disso, com uma renda per capita cerca de um oitavo da americana, consumimos 10 milhões de automóveis por ano em dólares, à frente da China e atráz apenas dos Estados Unidos, cujo mercado devora 20 milhões, a maioria importados da Ásia. Considerando-se que apenas 60 milhões de brasileiros podem ser considerados de classe média, e que o real tende rapidamente à paridade com o dólar, somos o segundo país mais rico do mundo, e quando os outros cerca de 120 milhões de brasileiros entrarem na classe média (o que não deve demorar, pois os mercados dos países ricos estão saturados), vamos passar os Estados Unidos, por um breve momento, até a China assumir a liderança e o Brasil a segunda posição. Quanto à India, tem muito chão até eles se tornarem ricos e influentes de fato. E quanto ao Brasil, basta observarmos, e verificar que todos os prognósticos das agências de risco, bancos e consultorias, além de trabalhos acadêmicos sobre nosso futuro eram furados, pelo simples fato de serem feitos sob a ótica de quem está em declínio e não admite que a riqueza está baseada, nestes tempos de consumismo, no mercado, o que temos de sobra. Em síntese, em consumidores.

  • wanderley pires cunh

    Em dólares americanos, somos o terceiro maior comprador de carros do mundo, isso com um terço da população com acesso ao mercado.

  • Rosi

    Ontem mesmo eu e um amigo conversávamos exatamente sobre esse assunto e seu post veio só confirmar o que discutíamos

    • Vinicius

      Se é pra falar de europa. A renda per capita na frança é US$ 43,490 [1] (2011).
      Ou melhor na suécia é de US$ 47,934 [2] (2010).

      No brasil ? US$ 11.300 .

      E esse valor no brasil só é tão alto pois não leva em consideração a terceira maior desigualdade de renda do mundo [3]. Se removermos a renda da elite (pouco menos de 10% da populaçã) o calculo tende ao "sálario" minímo ou talvez ao bolsa familía.

      Eu sei que a renda não está diretamente relacionada ao valor de nenhum produto. Mas se a levarmos em consideração concluimos que o custo brasil é ainda mais pessado ao bolso do brasileiro.

      E porque será que ainda vende-se muito ? Os brasileiros se iludem com os financiamentos apadrinhados pela expansão do crédito promovida pelo governo[4]. Os efeitos já estão aparecendo , inflação , inadimplência alarmente. Mesmo que financiado em 5 anos pagando juros exorbitantes as pessoas aceitaram tal condição como vantajosa. Isso é o mais triste.

      Será que só não adiatam a tal crise por aqui, tomara que não.

      O Brasil é mesmo aquele circo. Regado ao Custo Brasil e Maquiado com o Lucro Brasil. A parte dos palhaços todos já estão cansados de saber.

      [1] – http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/01/w

      [2] – http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2010/01/w

      [3] – http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010/07/22/p

      [4] – http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/pergunta

  • flavio sampaio tavar

    É realmente abusivo o preço praticado aqui no Brasil mas a tendencia e cair a concorrencia está ficando acirrada entre as montadoras e com a abertura de mercado várias marcas já estão firmando aqui no Brasil. o Grande problema é que Brasileiro é apaixonado por carro e não mede esforço para ter um. mesmo com juros alto e carga tributária elevada.

  • Nilton S. Bruscain

    Um Mille custar R$ 14.000,00?

    Não esqueçamos que os veículos são vendidos "pelados"ou seja,sem opcionais.

  • Saullo A. Oliveira

    Ok Leandro, me desculpe o engano sobre o autor da matéria. De qualquer forma o recado está dado.

  • Dexter

    Boa! esclareceu bastante coisa!

  • Leopoldo

    As montadoras se aproveitam da carga tributaria elevada e do propalado custo Brasil para justificar os altos precos e assim esconder seus elevados lucros na vendas de seus produtos aqui.

    Fiz um exercicio de calculo tendo por base o Ford Fusion "entry level" vendido aqui e no States, partindo de um valor FOB-porto de embarque Mexico, estimado com base em minha experiencia profissional. Considerando os impostos e taxas envolvidos, e margens civilizadas ao longo de toda a cadeia de producao, venda e pos venda os calculos mostraram que esse veiculo poderia ser vendido aqui por cerca de R$25.000 a menos ( no cambio atual)Um calculo mais acurado feito por especialistas nao deve fugir muito desse valor. Por uma questao de segmentacao do mercado a montadora, mesmo que quisesse, jamais poderia praticar um preco menor para esse modelo, sob pena de inviabiliar a estrategia de precos ( e lucro! ) dos modelos menores fabricados aqui.Escondida na pesada carga tributaria tapuia a montadora ( e nao 'e a unica) engole um lucro indecente que n'os brasileiros pagamos alegremente.

    • Leopoldo, gostei do seu comentário e raciocínio, e foi pela mesma razão que publiquei este texto aqui no site. Tanto você quanto o autor da matéria oferecem valores e comparações para justificar seus pontos de vista.

      Uma coisa que muitos tem se esquecido de incluir na equação são as ineficiências infraestruturais e burocráticas brasileiras. O carro no porto pode custar a mesma coisa no Brasil e em outro país, mas e para transportá-lo para as cidades do interior? Vai usar hidrovias, ferrovias ou rodovias? E o custo da mão-de-obra e encargos no transporte, armazenagem?

      E os encargos trabalhistas dos funcionários nas concessionárias?

      É fácil justificar tanto um ponto de vista (culpar somente o Custo Brasil) quanto o outro (o Lucro Brasil), se a gente "esquece" alguns elementos que influenciam o sistema.

      • Luciano Marcos Silva

        É claro que o Brasil tem suas ineficias estruturais,burocracia, corrupção etc., mas será que países como México, Argentina, China etc. são muito melhores que nós nesses aspectos? Creio que não.

      • Luis Carlos Pereira

        Como um golf é enviado ao Canadá, pega 2 caminhões e 1 navio, sabendo-se q o salario dos funcionarios das concessionarias(e toda mão de obra) lá é muito maior que no Brasil, um pais q tbm tem tributação altissima na questão trabalhista, e lá é vendido pela metade do preço daqui do Brasil, sendo fabricado aqui. Frete e mão de obra tbm não é desculpa.
        Muita gente ganha pra ficar calado.(a midia com as propagandas e o governo com o suborno)

  • Saullo A. Oliveira

    Matéria tendenciosa essa sua Sr. Leandro. Não precisa ser economista ou matemático pra entender que por mais que as montadoras tentem culpar o chamado custo brasil as contas não fecham. A diferença de preços praticada aqui no Brasil e lá fora é exorbitante, não existe custo que justifique isso e os brasileiros estão começando a enxergar isso agora, enxergue você tambem. Abraço.

    • Saullo, apenas ressaltando que a matéria não é de minha autoria. Veja os créditos dados ao autor ao final do texto.

      • André Carneir

        Não achei espaço para comentários.

        Achei a matéria muito fraca, trouxe poucos números e mais dirigida a quem está interessado em carros que propriamente em eficiência, economia ou lucro das empresas. Mas com todas certeza ela traz em voga uma vária questões importantes, das quais algumas gostaria de deixar minha opinião.

        Não tenho dúvidas que sim, o lucro das montadoras brasileiras é maior do que das estrangeiras, tanto é que a GM remeteu lucros daqui para salvar a matriz americana. Porém, por ganância, acho que não. Acho que é por um mercado super aquecido em que o consumidor que nunca pode consumir paga qualquer preço e que falta concorrência, também funciona assim na aviação e nas outras industrias de bens de consumo. Outro fator, pelo mercado brasileiro ser menor que o americano e europeu, o custo fixo por produto produzido aqui é provavelmente maior.

        Apenas deixando claro que são apenas opiniões de alguém muito pouco gabaritado para falar no assunto e que posso estar errado.

        Ao meu ver, neste momento, o governo poderia adotar medidas de estimulo a concorrência para que assim a curva de aprendizagem da indústria automobilística nacional se acelere, ganhando eficiência e reduzindo os custos de produção.

        Outra medida interessante seria a redução dos impostos, o que poderia ser negociado com o setor em troca de novos investimentos, retenção maior do lucro no país e novos itens de série para o carro não baratear demais causando engarrafamentos.

        Sempre tenho medo de pensar o que aconteceria com o trânsito nos grandes centros urbanos brasileiros se os carros por aqui fossem tão baratos como os vendidos no México, Argentina ou Estados Unidos.

        De um estudante de administração que quer carros mais seguros, estradas mais seguras e trasporte público confortável, frequente, seguro, vazio e com ar condicionado e wireless.

        • André, este é um comentário, você achou o espaço sim!
          Desde o título da matéria o leitor já está avisado que o texto será sobre automóveis, não sobre eficiência ou economia. Estes temas já abordamos em outras matérias aqui no site.

          • André Carneir

            Leandro,

            Estava muito nervoso no dia e acabei me exaltando, peço-lhe desculpas por ser tão crítico com o texto. Poderia ter ressaltado vários pontos de concordância que não citei, tais como: a relevância da taxa cambial na comparação dos preços ou análise sobre o preço dos big macs. Entretanto apenas desabafei contra pontos que o texto ao meu ver não havia abordado não prestando atenção ao foco da matéria.

            Ficaria contente em escutar sua opinião referente ao meu comentário, sua visão seria de grande valia para que eu possa procurar mais informações sobre o assunto.

            Abraços.

      • leopoldo

        Nosso mercado 'e certamente menor que o norte americano e o europeu como um todo. Mas nao somos um pequeno mercado, ( quinto ou sexto ?!!), a ponto de justificar esses altos precos (e modelos antiquados e depenados) por falta de escala. O mercado Argentino que 'e bem menor , tem escala? O Chileno que 'e bem menor, tem escala?

        Quanto ao mercado mexicano ( que tambem 'e menor que o nosso) o argumento de melhor escala pode se aplicar j'a que os mexicanos se beneficiam indiretamente do volume do mercado norte americano ao "fabricar" veiculos para os americanos ao norte do Rio Grande.

    • Fred

      Concordo matéria tendenciosa retrata exatamente o ponto de vista das montadoras. Sabemos que o a carga tributária e outros fatores contribuem para que os nossos carros sejam mais caros, mas não justificam que sejam tão mais caros.
      50% do valor pode ser atribuído ao lucro Brasil. De quem é a culpa? De nós brasileiros, tem gente que deixa de comer direito pra comprar carro 0KM. Quem dita o preço é o consumidor se todos parassem de comprar carros novos, eu aposto que em 1 ano os preços cairiam muito.
      Nós pagamos aquilo que merecemos!!!!!!!

      • Murilo

        É muito tendenciosa essa matéria. Quem escreveu está defendendo o ponto de vista das montadoras. Eu defendo o ponto de vista dos brasileiros. Será que o Custo Brasil é alto? Recentemente a Vw chegou a 1milhão de gols exportados e se fosse tão caro produzir aqui, nossos produtos seriam tão competitivos a ponto de a vw bater a marca de 1 milhão de gols exportados para o México e Argentina? Nosso custo de produção não é alto. Alto são nossos impostos que não são o real motivo da astronômica distorção de preços. Os carros populares tem uma margem de lucro menor, pois as montadoras ganham em cima do volume de vendas. Mas à medida que o valor do carro sobe, o lucro aumenta exponencialmente podendo chegar a 100% nos casos de carros importados. Quem dita preço é o consumidor; eu a vários anos não compro carro zero e aposte que vc não compra tb. O brasileiro é meio lerdo, demora muito para acordar para a realidade.