Logística com o seu melhor amigo

Logística com o seu melhor amigo

O final do ano está chegando e com ele os planos de férias… Você também é daquelas pessoas que muda toda sua logística por causa do seu melhor amigo?

Seja ele um cachorro, um gato, um passarinho ou tantos outros pets que habitam nossas casas e nos enchem de alegria durante todo o ano.

A pergunta no final é sempre a mesma: levo meu pet comigo na viagem ou não?

Talvez você nunca tenha reparado, mas essa decisão passa por uma análise logística…

O primeiro passo é saber se seu destino aceita pets.

Atualmente existem vários hotéis que recebem animais de pequeno porte junto com seus donos.

Agora, se você está indo para casa de parentes (que gostam de pets), provavelmente eles não só aceitam como estão com mais saudades do seu pet do que de você!

E então vem a segunda pergunta: o meio de transporte, aceita pets?

MODAL AÉREO E OS PETS

Muitas companhias aéreas já entenderem que os pets fazem parte da família e estão aceitando nossos melhores amigos.

Mas há restrições… Toda companhia aérea tem suas regras de saúde do animal para transportá-lo, que deve vir acompanhado de autorização veterinária e comprovações de vacinas.

Para levá-lo junto de você na cabine do avião, há uma restrição de peso – as companhias mais flexíveis permitem que o animal e estrutura que o acondiciona pesem, juntos, 10 Kg. Tem outras companhias que o limite do conjunto é de apenas 5Kg.

Caso esse limite de peso seja ultrapassado, seu melhor amigo precisará ser despachado no porão do avião.

E, independente do local que ele viaje, você paga um valor adicional.

Embora essa seja uma tendência mundial, que está se consolidando no Brasil, ainda assim muitos donos não tem coragem de levar seus pets para dentro do avião.

Os receios são os mais diversos: desde o tratamento que a companhia aérea proverá ao pet (principalmente se ele for despachado) até o próprio bem estar do animal, mesmo quando ele fica coladinho conosco a viagem toda.

Agora, se a opção for não usar o modal aéreo por causa do pet, ainda existe a opção rodoviária!

PETS NO MODAL RODOVIÁRIO

Para viajar de ônibus, as regras são bem parecidas com a viagem de avião: há limite de peso e necessita de autorizações específicas do veterinário.

A única diferença é que você se sente mais próximo do seu melhor amigo e não tem a sensação que ele vai sofrer tanto quando na viagem de avião.

Mas a escolha que é mais tradicional nesses casos é realizar a viagem de carro. Eu não conheço nenhuma pesquisa oficial com essa informação, mas tenho certeza que se houvesse, um percentual grande de famílias iriam declarar que viajam de carro apenas para levar seus pets.

Como eu sei disso? Basta olhar os pontos de parada (postos de combustíveis e locais de alimentação) nas estradas brasileiras durante o período de férias.

É impressionante a quantidade de famílias viajando com seus melhores amigos!

Eu ainda fico me perguntando porque ninguém teve a ideia de fazer um local próprio para os pets relaxarem nessas paradas… Afinal de contas, eles já estão estressados da viagem e ainda precisam ficar presos e rodeados de carros.

O fato é que o desejo de levar nossos melhores amigos para a viagem de férias muda toda a nossa logística e nos faz tomar decisões distintas de modais de transporte caso estivéssemos sem eles.

Se você já teve uma experiência de viajar com seu pet, nos conte aqui nos comentários como foi!

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

É economista pela ESALQ/USP e pós-graduada em Administração de Empresas pela IBE/FGV. Coordenou o grupo ESALQ-LOG (Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial) e liderou equipe de projeção de demanda do LabTrans (Laboratório de Transportes da UFSC). É empreendedora de marketing digital no ramo da logística e idealizadora da série: “Logística em 2 minutos”. Também escreve sobre os bastidores do empreendedorismo no seu blog. Email: contato@prinunes.com.br.

  • Jonathas Campos de Lima

    Tenho um pet de porte médio que adora viajar conosco. Esta reportagem é excelente e confirmo a relação com a logística que, como sempre, está envolvida em tudo. Todas as decisões devem levar em conta o pet, a começar pelo modo de transportá-lo, em “containers” próprios para animais, programar as paradas, levar os objetos pessoais dele, tais como caminha, potes de água e comida, e outros. O destino deve ser confirmado antes da aceitação ou não, mas já existem vários hoteis “pet friendly” e sem cobranças adicionais. Tenho certeza que sua diversão será melhor, com seu melhor amigo por perto. Boa Viagem!