Medo de mudanças – o império das rotinas

Medo de mudanças – o império das rotinas

É muito comum não estarmos receptivos às mudanças em nossa rotina de trabalho. Por menor que ela seja, causa um certo desconforto o fato de agora eu ter que executar meu trabalho com mais essa “intrusa” na minha rotina. Quando essa mudança traz conflitos hierárquicos pode ser gerada uma crise onde todos perdem, principalmente aquele cujas mudanças foram propostas. O rendimento já não é o mesmo porque a empresa já não é tão boa para se trabalhar e a vida já não é tão bela…

Isso é mais comum do que se possa pensar. O ser humano tem uma tendência natural de não aceitar interferências em seu “território”. Difícil perceber e controlar. Uma simples mudança traz o medo de comprometer a execução das demais tarefas, de colocar a eficiência em risco e, o mais comum, aumentar o trabalho. Uma pequena mudança para essas pessoas já é motivo de baixo desempenho, problemas de relacionamento, irritabilidade, infelicidade, distanciamento de uma possível promoção e, como conseqüência disso tudo, uma demissão ou pedido de demissão.

A forma com que cumprimos nossa rotina sabendo que do outro lado têm pessoas que compõem suas novidades e suas próprias rotinas através da nossa, faz toda a diferença.

No caso de Fulanésia, aeromoça em uma grande empresa de aviação, que está sempre cumprindo aquela mesma rotina de ensinar como usar o cinto, indicar as portas de emergência e de falar aquela inutilidade sobre os assentos que flutuarão no caso do avião se espatifar; está tão mergulhada na rotina que não percebe a novidade aos olhos daquele passageiro que voa pela primeira vez. A rotina dela cruzou com a novidade dele. Mas, o que ficou realmente, foi que ele percebeu que ela não é feliz no que faz, não acredita no que diz e não inspira confiança. Talvez se ela acrescentasse um simples diferencial, um sorriso que fosse, ele a veria de uma forma diferente, até acreditaria que o assento flutuante agora lhe passa toda a segurança que ele esperava.

A rotina pode ser altamente prejudicial para você no que diz respeito ao seu cérebro: Especialistas recomendam que, no que for possível, mude o caminho para o trabalho, a forma de executar suas tarefas e a sequência dessas tarefas. Isso ajuda, e muito, no desenvolvimento e manutenção do seu cérebro, melhorando a concentração, memória e a capacidade de raciocínio com o aumento da criatividade. No que diz respeito à empresa: Hoje há uma grande necessidade de inovação nos mais diferentes mercados. Pessoas que lidam bem com conflitos se permitem desenvolver novas idéias, impulsionam seus setores e extraem possibilidades de crescimento por menor que essa idéia possa ser. As empresas não preservam mais essas limitações, elas buscam profissionais abertos às mudanças, receptivos a desafios e dispostos a ser diferentes da maioria que se acomoda numa função e substitui a defesa desta, por uma defesa pessoal.

Essa é uma grande realidade. A defesa não é pela função, é pessoal, é territorial. A dificuldade na aceitação das mudanças é devido à “ameaça” que elas representam e isso vem automaticamente antes de qualquer outro motivo. Se isso não faz parte de você, ótimo! Mas muitas pessoas são resistentes a isso e saber lidar com elas pode favorecer muito as atividades da empresa.

Sempre ouvimos que rotinas prejudicam casamentos, trabalhos, amizades e tudo o que ela domina. Mas há duas verdades sobre a rotina: A primeira é que muitas pessoas a desprezam e outras não têm forças para sair dela devido à passividade. A segunda verdade é que a rotina nem sempre é prejudicial. Há funções em que a rotina deve ser obedecida pela funcionalidade e pela segurança de processos, informações e de integridade. O simples fato de reconhecê-la já pode ser um diferencial que irá ajudar na execução e na forma de enxergá-la. Ela nunca deverá ser vista como uma prisão ou como um engessamento, mas como uma etapa cuja abertura ao novo lhe é proporcionada.

O bom é que você pode, usando o bom senso, acrescentar ou retirar partes que compõem sua rotina. Mas esteja à disposição para novos sabores, novos conceitos, mudanças. Isso é grande parte do nosso crescimento profissional e pessoal. Aceite mudanças e diga “sim” à sua evolução.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Foi Coordenador de Logística na Têxtil COTECE S.A.; Responsável pela Distribuição Logística Norte/Nordeste da Ipiranga Asfaltos; hoje é Consultor na CAP Logística em Asfaltos e Pavimentos (em SP) que, dentre outras atividades, faz pesquisa mercadológica e mapeamento de demanda no Nordeste para grande empresa do ramo; ministra palestras sobre Logística e Mercado de Trabalho.

  • Cíntia Barbosa

    Ótimo texto…muitas vezes não queremos e não estamos aptos a qualquer tipo de mudanças em relação ao nosso trabalho, mas, devemos sempre nos preocupar com isso e tentar otimizar cada vez mais nossas tarefas do dia a dia…você vai ver o benefício que isso traz ao seu trabalho, como, principalmente, para a empresa. Parabéns!!

  • Patricia

    Um problema bem antigo, mas tratado de uma forma bem atual pelo autor. Parabéns pelo artigo.

  • Fcosilva

    Muito bom o texto! Já passei para minha equipe. Isso é mais comum do que pensamos.

  • Marcos Aurelio da Costa

    Por favor, leiam “veria” no quarto parágrafo, e não “viria” [já corrigido pelo editor]. Aproveito para agradecer os comentários e os e-mails recebidos, aos quais respondo com o maior prazer. Boa leitura a todos!

  • Marcos Aurélio da Costa

    Por favor, leiam “veria” no quarto parágrafo, e não “viria”. Aproveito para agradecer os comentários e os e-mails recebidos, aos quais respondo com o maior prazer. Boa leitura a todos!

  • Thiago

    Esse texto foi uma pancada em mim. Muito obrigado.