O “outono” da indústria brasileira

O “outono” da indústria brasileira

Muitos ignoraram a existência de uma crise na economia brasileira apontando-a apenas como sendo uma crise política. Eu mesmo teci comentários nessa direção quando ainda a política nos tirava a atenção de algo grave até então encoberto por tantos escândalos envolvendo tantos políticos. Não, não era só uma crise política que começava a afetar nossa economia que já pedia socorro enquanto nós nos estarrecíamos com tanta sujeira. Talvez até pudesse sustentar que tenha começado, como tantas outras situações, na política, no entanto, mais voltadas às questões que envolvem a omissão do que propriamente a corrupção, que também é tão presente.

industriaEnquanto o Governo Federal e a grande massa política do país se concentravam naquilo que fazem de melhor: a luta pelo poder, o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), um fundo especial vinculado ao MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), arrastava rombos bilionários e, nesta semana, alertou que se o desemprego continuar no ritmo atual não haverá recursos para pagar o Seguro Desemprego. E não só este fundo como outros, sofreram baques significativos que nos remetem ao setor produtivo brasileiro e seus sinais de perda de competitividade e de perda de massa operacional.

Assim como no outono as árvores abrem mão de suas folhas para concentrar sua energia em sua sobrevivência, as indústrias brasileiras usam de prática similar para permanecerem ativas na esperança de que essa “estação” possa ser superada e a retomada do setor traga o crescimento no qual sempre foi de fundamental importância para o país. Porém, os números não são nada animadores, pois a indústria brasileira acumula quedas seguidas e encolheu 8,3% em 2015, pior resultado desde 2003, e em fevereiro de 2016 encolheu incríveis 13,6%.

O efeito desse “outono” é devastador. E não só para a economia nacional, já que os empregados do setor, que já não percebem o retorno de impostos na saúde, segurança e educação, amargam a perda de renda enquanto a indústria também sofre de duas formas: uma pela ameaça do encerramento de suas atividades e outra que, caso sobreviva, se vê afetada pela falta de investimentos em infraestrutura, que já não ocorre como deveria, mas diante do encolhimento do setor, o poder público que sempre pensa e age de forma diferente, tem a prática de “adubar as árvores que já dão frutos e não plantar e prepará-las para dar frutos”.

Não precisa de muita pesquisa para se abismar com a quantidade de empresas que fecharam as postas de 2014 para cá. E não são quaisquer empresas. Entre estas, estão muitas cujas marcas se consolidaram no mercado e atingiram um nível de aceitação que lhes faziam abandonar a ideia de um dia viver situação similar. Dados das Juntas Comerciais dão conta que em 2015 foram fechadas quase 355 mil empresas de todos os setores, porém sabemos que o peso do setor de produção representa uma parcela importante para recuperar ou esmagar a economia, pois dele deriva vários outros mercados que sustentam muitas e muitas famílias. Para se ter uma ideia, só em São Paulo fecharam 4.438 fábricas em 2015. 24% a mais que em 2014. Entre estas estão setores que sofrem há tempos, como o setor têxtil e o automotivo que apesar de boas vendas em anos passados, sofrem com impostos que inviabilizam e eliminam a competitividade de seus produtos.

Fechar uma unidade como forma de sobrevivência para segurar custos em meio à queda da demanda é uma decisão extrema que compromete ainda mais a capacidade de crescimento do país. Redução de jornada com redução salarial funciona enquanto há alguma movimentação nos estoques, mas à medida que essa movimentação vai perdendo corpo, e isso é só questão de tempo quando não há mudanças efetivas, o quadro fica insustentável.

Embora o tom da economia seja que um ciclo se cumpra a cada sete ou até oito anos, é absolutamente comprovado que em muitos setores isso pode ser retardado ou antecipado a depender das proteções ou das exposições que os governantes sinalizam de suas decisões ou de suas omissões. Isso é determinante para qual “estação” venha a seguir. Até queremos que seja uma primavera que nos faça esquecer as sombras de outono, mas devemos lembrar que ainda temos um inverno todo pela frente.

Mesmo dividido pela Linha do Equador, onde o outono não assume suas características, o Brasil sabe muito bem o que faz suas “árvores perder folhas” e sabe também o que fazer para atravessar “o inverno e aproveitar bem a beleza da primavera”. Basta que nossos políticos abram mão de seus eternos “verões”.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Foi Coordenador de Logística na Têxtil COTECE S.A.; Responsável pela Distribuição Logística Norte/Nordeste da Ipiranga Asfaltos; hoje é Consultor na CAP Logística em Asfaltos e Pavimentos (em SP) que, dentre outras atividades, faz pesquisa mercadológica e mapeamento de demanda no Nordeste para grande empresa do ramo; ministra palestras sobre Logística e Mercado de Trabalho.

  • Fernando Borges

    Parabéns pelo post, sou Fernando Borges e atualmente estou cursando Técnico em logística pelo Pronatec em minha cidade. Gostei muito do curso e termino em Dezembro. Gostei de haver encontrado seu blog.
    Gostaria de receber dicas suas relacionadas a carreira e estrategias.

    • Marcos Costa

      Prezado leitor Fernando Borges,

      Nos honra com seu tempo dedicado à leitura de nossos artigos e com sua escolha por esse magnífico segmento que tem um mar de crescimento pela frente. Você começou muito bem – opinião de quem como você, começou pela escolha em conhecer todas as bases que orquestram nossa logística, como técnico – e não deve parar de buscar mais conhecimentos, pois nosso setor é amplamente complexo, ao mesmo tempo em que é apaixonante e bem lucrativo em determinadas atividades. Você pode acessar vários outros artigos que, mesmo anteriores, estão atuais em sua imensa maioria. Eles falam de sucessos, de fracassos e contextualizam nossa logística no âmbito do mercado, com suas necessidades e suas infinitas formas divididas em vários setores.
      Sou o autor do artigo que leu e de vários outros, mas apenas um componente dessa gama de conhecimento que o LD oferece com tantos outros articulistas em suas áreas de domínio. Tudo isso para proporcionar aos leitores o conhecimento – real, isento e atento às mudanças constantes com a abertura para discussões.
      Saúde e sucesso para você!