O papel da logística no modelo de negócios

O papel da logística no modelo de negócios

O modelo de negócios de uma empresa é o conjunto de suas políticas, operações, métodos, tecnologias e informações utilizado para a criação de valor a seus clientes. Por isso o modelo de negócios está mais voltado às características de cada empresa do que propriamente ao conjunto mercadológico em que atua, podendo às vezes ser enxergada sob seus aspectos comuns de mercado, mas sem perder a oportunidade de ser única e, assim, explorá-lo de forma diferente para obter resultados também diferentes.

Mesmo quando não se tinham noções tão claras acerca da importância da logística, como as expedições marítimas que se deram no comércio antigo e que resultaram em grandes descobertas, seu papel sempre esteve voltado à geração de possibilidades para atender eficientemente suas proposições e à concretização de resultados.

Com a evolução dos modelos comerciais, a Logística foi ganhando mais importância e tornando suas atividades tradicionais, antes desenvolvidas quase que isoladamente, numa conjunção harmônica – pelo menos no que diz respeito à cadeia de suprimentos (Supply Chain), já que ainda há muito da infraestrutura carente por desenvolver uma maior interação com as demais atividades.

As atividades logísticas até bem pouco tempo

A contribuição da Logística para os modelos de negócios estava voltada unicamente aos custos e à eficiência de suas atividades de armazenagem, estoques e distribuição física sem muita relação uma com a outra e sem a preocupação com os efeitos negativos recaídos sobre o desempenho das atividades subsequentes.

Por mais incrível que possa parecer, as atividades começaram a se relacionar quando do aumento da percepção das empresas sobre a importância de seus clientes, antes vistos apenas como uma etapa no cumprimento de um ciclo que, por volta da década de 1950, dava início ao que passaríamos a conhecer por Cadeia de Suprimentos: aquisição, produção, armazenamento e distribuição, deixando de ser realizadas separadamente aos olhos das novas gestões.

Porém, com o avanço da informação plantada desde o Século XVIII na Europa com a Revolução Industrial e sua abertura à tecnologia, a que muitos historiadores relacionam seu real desenvolvimento à Terceira Etapa da Revolução Industrial no Século XX, que traria inovações como o computador, o fax e o celular, os aspectos relacionados à competitividade findavam sempre no seu principal pilar: o atendimento ao cliente – e agora com os olhos da globalização.

Hoje é impossível falar de negócios sem destacar os planos logísticos relacionando o nível de serviço à satisfação dos clientes, agora vistos em sua real importância, e impossível não perceber a Logística atendendo as expectativas de empresas e clientes, não como dois lados, mas como um propósito.

O atual papel da Logística nos negócios

O desenvolvimento dos negócios colocou a Logística dentro das organizações como um elemento estratégico, e o que antes era visto como um elemento transacional adquiriu uma forma relacional, com novos conceitos sobre cadeia de valores e, dada a importância às parcerias e numa evolução constante, a Logística acrescentou às suas atividades básicas (armazenagem, estoques e distribuição física) o processamento de pedidos e a gestão de tecnologia de informações para que suas atividades deixassem de ser vistas de forma independente e fossem organizados os fluxos de materiais e de informações da Cadeia de Suprimentos.

A Logística estará presente nos principais elementos que formam o negócio da empresa: o espaço negocial (área geográfica e os segmentos que pretende atuar), os bens e serviços (ofertados em seu território de atuação) e os recursos (como fonte de suprimentos e tecnologias), mostrando assim o quanto estrategicamente é indispensável a qualquer modelo de negócios, seja nos citados elementos concretos ou nas condições internas da organização (competências gerenciais, necessidades de controles, operacionalizações e domínio das informações nas tomadas de decisões), para a cultura da eficiência em todas as suas atividades.

Durante muito tempo – e ainda se ouve a voz da desinformação – a Logística foi enquadrada nas organizações como sendo uma atividade unicamente voltada ao transporte, mas, como vimos, ela se estende bem além dessa tarefa e mostra que não há negócios sem um bom e amplo planejamento logístico.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Foi Coordenador de Logística na Têxtil COTECE S.A.; Responsável pela Distribuição Logística Norte/Nordeste da Ipiranga Asfaltos; hoje é Consultor na CAP Logística em Asfaltos e Pavimentos (em SP) que, dentre outras atividades, faz pesquisa mercadológica e mapeamento de demanda no Nordeste para grande empresa do ramo; ministra palestras sobre Logística e Mercado de Trabalho.