Profissionais consideram essencial ter uma pós, mas nem sempre ela é vantajosa

Profissionais consideram essencial ter uma pós, mas nem sempre ela é vantajosa

Por Camila F. Mendonça*

Buscar aprimoramento profissional por meio de cursos de especialização é a saída mais comum no mercado de trabalho. Essa é a avaliação dos próprios profissionais. Para 52% deles, a certificação de uma pós-graduação é um dos melhores caminhos para se ter uma carreira bem-sucedida.

O levantamento, feito pela Trabalhando.com com 250 profissionais, também mostra que 29% deles acreditam que ter em seu currículo uma pós é importante, mas não fundamental. Já 12% dizem ser irrelevante essa certificação, ao passo que 8% acreditam que ela ajuda, mas não é determinante para a carreira.

Para o diretor-geral da Trabalhando.com, Renato Grinberg, a percepção dos profissionais de que uma pós-graduação é importante para o desenvolvimento da carreira está alinhada à do mercado de trabalho. “Em meio à tanta competitividade, destaca-se quem tem experiência profissional e qualificação”, afirma. “Para isso, cada vez mais os profissionais buscam especializar-se na área em que atuam, assim suas chances de alcançar o sucesso aumentam”, completa.

pós é sempre vantajosa na carreira?Contudo, Grinberg atenta que os profissionais devem ficar de olho não apenas a essa qualificação, mas no modo como ela é adquirida. Isso porque, embora os profissionais considerem a certificação de extrema importância, nem sempre ela pode agregar valor ao currículo – podendo até depreciá-lo. “É perigoso usá-la apenas como trampolim para a carreira”, ressalta Grinberg.

Sendo realista


Para o especialista, a melhor forma de tornar a pós um meio efetivo para o desenvolvimento da carreira é saber aproveitá-la bem. E em todos os sentidos. “É preciso ver a pós como algo realista”, avalia o especialista. “Será que ela vai lhe abrir portas? Ela é necessária para a sua área? Se as respostas forem negativas, talvez agora não seja o melhor momento para fazer uma pós”, afirma Grinberg.

Por outro lado, se você de fato perceber que agora é o melhor momento para conseguir uma certificação nesse nível, então é preciso encará-la como um meio de aperfeiçoamento e não apenas como mais um título que pode ficar bem no currículo. “Tão importante quanto o curso em si são as possibilidades que ele pode lhe abrir. Elas são tão importantes quanto o conteúdo, porque podem lhe abrir portas”, afirma o especialista.

Ele dá como exemplo a possibilidade de o profissional ampliar sua lista de contatos com cursos desse nível. Para ele, uma pós-graduação só ajudará a alavancar a carreira do profissional quando ele souber aproveitar as oportunidades que ela lhe oferece, como palestras e encontros organizados pelo curso. “Não adianta se trancar na sala e ficar só estudando”, recomenda.

Outro ponto a ser bem pensando por quem quer fazer uma pós pensando no futuro é considerar a área na qual atua. Em muitas, talvez, uma especialização desse nível pode não fazer tanta diferença. “Pós mais técnicas têm menos peso no mercado. As mais generalistas, ao contrário, têm maior peso”, afirma Grinberg. “Em áreas ligadas à administração, por exemplo, uma pós faz muita diferença”, completa.

Para escolher uma boa pós


No mercado de trabalho, muitas vezes, não adianta apenas o aproveitamento dos profissionais em cursos. Se a escola na qual ele fez uma pós não for considerada de primeira linha, talvez todo o esforço pode ter sido em vão. “Nem todos os cursos são iguais”, ressalta Grinberg.

Por isso, ele recomenda aos profissionais que querem fazer uma pós que, primeiro, avaliem os cursos que pretendem fazer. “Pesquise muito os cursos disponíveis para sua área de atuação e se eles realmente se encaixam às suas necessidades profissionais”, recomenda o especialista.

Atentar à qualidade de ensino que a instituição oferece também deve entrar na lista dos cuidados que os profissionais devem ter ao escolher o curso. “Em meio à intensa propagação de programas de pós-graduação e MBAs [Master Business Administration], verifique a idoneidade e se o mercado reconhece o valor dessa instituição”, ressalta.

Para Grinberg, também é importante escolher um curso em que os professores transmitam conceitos práticos, focados no que está acontecendo de fato no mercado, nas empresas e na economia. “É importante procurar opções que expandam a rede de relacionamento e contatos, tanto com colegas quanto com professores”, completa.

O que você acha?

* Por Camila F. Mendonça, INFOMONEY

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).

  • Fernando

    Excelente artigo, prático e incisivo. Confesso que me ajudou a tomar uma decisão que julgo importante em minha carreira.

  • Daniel

    Excelente texto!

  • muito bom

  • Nilma Dias

    Matéria realmente muito interessante.

    Não adianta apenas ter um bom curso superior, hoje é necessário saber das atualizações do mercado e também de tudo o que acontece em sua volta.

    A dica citada acima é excelente, pois,ser um ótimo aluno e a instituição não ser tão reconhecida acaba que fica um processo falho.

    Todo e qualquer profissional deve sim se especializar, mais tentando ter uma visão holística do processo como um todo.

  • Rodolpho Schimitd

    Sou formado na área de TI, mas já trabalho algum tempo com a área de transportes e logísticas, atualmente curso uma Especializacao em Engenharia da Producao e Logistica, e acredito estar no caminho certo.

  • RicardoFreitas

    Matéria muito interessante. O grande problema da pós é que aumenta as chances de conseguir uma melhor colocação em uma area especifica mas proporcionalmente ignora o restante das oportunidades nas demais. É como se a carreira fosse um tunel, no começo é largo, porém a medida que o profissional vai se aperfeiçoando o tunel se estreita.

  • Realmente a escolha de um bom programa de especialização é difícil. Existem muitas "escolas" e Escolas e talvez o melhor indicador é acompanhar a evolução dos profissionais que se formaram.