agilidade

A empresa do futuro: gerentes

A empresa do futuro: gerentes

Banalizadas por umas e úteis ou dispensáveis por outras, as empresas vêm trazendo à discussão as funções de gerente. Enquanto umas criam gerências para a…

RFID e o futuro dos negócios

Complementando a matéria sobre RFID e os impactos na logística (Radio-Frequency Identification ou Identificação por Rádio Frequência), confira este vídeo que mostra como esta tecnologia…

Estratégias e vantagens competitivas

Por Leandro Callegari Coelho*

estratégias e vantagens competitivas - corrida no mercadoA decisão de concorrer num mercado competitivo depende muito da estratégia adotada, que definirá qual será a vantagem competitiva da empresa.

Tradicionalmente, as vantagens competitivas são diferenciação (um produto exclusivo, diferente) ou custo (produto mais barato que a concorrência). Vamos incluir nesta lista a agilidade, que representa a velocidade com a qual a empresa dá respostas às solicitações do mercado.

Assim, temos opção de trabalhar com três diferentes vantagens competitivas:

– diferenciação: o melhor;

– custo: o mais barato;

– agilidade: o mais rápido.

Logística de classe mundial – parte 2

Logística de classe mundial – parte 2

Esta matéria será dividida em duas partes:

Parte 1: Pesquisas preliminares para identificar fatores e características históricas que levaram ao desenvolvimento da logística de classe mundial.

Parte 2: Discussões sobre as qualidades de uma empresa com logística de classe mundial e conclusões.

Texto de autoria de Neimar Follmann e Douglas Hörner

1 – GENERALIZAÇÃO

Elaborar e melhor entender os aspectos fundamentais de uma performance logística superior.

A partir do modelo elaborado na pesquisa da Liderança da Vantagem Logística, desenvolveu-se outro com base nos dados das pesquisas e entrevistas. E este é o que demonstra os quatro pontos chave necessários para que se alcance um nível logístico de classe mundial.

Este modelo destaca quatro competências:

O Futuro do Transporte de Cargas em um Mundo Plano

O Futuro do Transporte de Cargas em um Mundo Plano

 

Conforme afirma Thomas L. Friedman em seu livro, o mundo é plano. Este mundo plano significa para empresas de transporte a necessidade de maior agilidade e mais flexibilidade, sem erros, em um contexto global, mesmo que sua ação seja regional. As fronteiras que ainda não caíram estão caindo, a concorrência realmente tornou-se mundial.

No livro O Mundo é Plano: uma breve história do século XXI, Thomas L. Friedman relata, com fatos, como o mundo havia derrubado suas fronteiras e quais os fatores contribuíram para isto. Mudança de regimes políticos, o advento da tecnologia e a colaboração entre empresas podem resumir o que está por trás deste mundo globalizado.

A UPS (United Parcel Service), empresa mundialmente conhecida do setor de transporte de encomendas, com sede nos Estados Unidos, ilustra como as empresas mais visionárias estão podendo se aproveitar do contexto formado a partir de uma grande difusão de tecnologias de comunicação e informação.

Cadeias de suprimento – obtendo vantagem competitiva

artigo publicado no Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 2008, Resende/RJ

A Vantagem Competitiva Através de Cadeias de Suprimentos Ágeis, Adaptáveis e Alinhadas: Uma Proposta para Implantação

Autores: Leandro Callegari Coelho, Neimar Follmann, Carlos Taboada, Camila Zago, Cíntia Callegari Coelho

O desenvolvimento de parcerias em cadeias de suprimentos tem se mostrado bastante promissor nos últimos  anos.  Tanto  que  internacionalmente  diversos  estudos  têm  sido  realizados  na  área  para investigar  como  elas  são  organizadas  e  quais  as  peculiaridades  que  as  levam  a  obter  sucesso sustentável.  Parte-se da análise de um trabalho publicado por Hau Lee, onde ele afirma que, além de
fazer da  rapidez  e do  custo baixo um objetivo  comum, as  cadeias de  sucesso  são ao mesmo  tempo ágeis,  adaptáveis  e  alinhadas  estrategicamente.  O  Triplo  A,  como  o  autor  chamou  as  três características principais, é  tomado como uma espécie de visão, um objetivo a  ser alcançado pelas empresas.    A  proposta  para  alcançar  esta  visão  passa  pela  aplicação  do  conceito Tambor/Pulmão/Corda  –  TPC,  aplicado  à  gestão  de  estoques  em  nível  de  cadeia,  além  de  um relacionamento maduro e de longo prazo entre as empresas.