crise

Caminhando no deserto

Caminhando no deserto

Ao longo da vida todos passam por desertos. Os momentos difíceis nos campos profissional e pessoal geralmente nos ensinam muito e nos preparam para outros…
A hora de pagar a conta

A hora de pagar a conta

Só se fala em crise. Assim como tudo tem seus altos e baixos, a economia do Brasil não fugiria à regra. Mas, o que há…
O grande negócio do caos

O grande negócio do caos

Sem dúvidas, uma crise é uma grande oportunidade para crescimento. O aprendizado deixado por essas situações é determinante para a manutenção de um negócio que…
Quem quer dinheiro?

Quem quer dinheiro?

Até seria engraçado se por trás dessa “brincadeira” não se escondesse um perigo tão grande para países como o Brasil devido à impressão de dinheiro…
Entre os trilhos e os automóveis

Entre os trilhos e os automóveis

Não é só a crise econômica e a falta de matéria-prima que está afetando a produção de veículos nos Estados Unidos. Em 2011 as montadoras…

É possível sentir saudades da crise?

a crise mundial deixou saudades?Lendo a pergunta acima muitos podem pensar que a mesma é uma grande loucura. Bem, gostaria de esclarecer que não estou falando da escassez de negócios no comércio internacional, mas de um fato curioso que isso trouxe.

Por conta dessa falta de carga, os armadores visitavam as empresas embarcadoras e consignatárias, literalmente, “de pires na mão”, pedindo por embarques. Bons tempos. Um excelente período de flexibilidade, rapidez e disponibilidade. Quase tudo era possível junto às empresas de navegação. Obvio que os prejuízos bilionários foram os grandes motivadores desses atos de benevolência.

Veio o segundo semestre de 2009, a virada para 2010, e a crise pareceu ter terminado para os armadores. Assim, retrocedeu-se à velha lógica, a mesma empregada no período pré-crise: Tudo bem para os armadores, navios cheios; retorno do sofrimento dos embarcadores e consignatários. Lamentavelmente, isso não deveria ser uma lógica, mas, de fato, é o que parece ser. Na exportação a coisa é mais leve. O crítico é na importação.

Pages
  • 1
  • 2