Artigos nesta tag:gestão da cadeia de abastecimentos

Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) indicam que, em janeiro, os EUA voltaram a ocupar o primeiro lugar entre os países que recebem produtos brasileiros, com um total de R$ 2,3 bilhões, superando a China, que comprou US$ 1,8 bilhão. Esse é um fato a comemorar, ainda que exista um flagrante desequilíbrio na balança Brasil-EUA que precisa ser corrigido. De fato, em 2011, os EUA venderam US$ 33,9 bilhões em produtos para o Brasil, que conseguiu exportar apenas US$ 25,8 bilhões para o mercado norte-americano, o que produziu um déficit de US$ 8,1 bilhões. Esse é um

Simplicidade pode ser algo complicado... principalmente na perspectiva da cadeia de abastecimento. Num conceito básico, as empresas devem revisar seus processos, incluindo suprimentos (compras), estocagem e expedição, e assim, desenhar suas instalações logísticas. O principal “driver” deve ser a visibilidade dos estoques (inventários) e colaboração entre os parceiros da cadeia logística. Todos se beneficiam deste exercício, do presidente ao separador dos pedidos, e por conseqüência o cliente final. Conceitos como S&OP (Sales and Operations Planning), BI (Business Intelligence) e suas análises são ferramentas valiosas mas se você entregar o produto errado ao seu cliente, será mal avaliado... A fase de coleta de dados
Confira este texto sobre os novos desafios que os gestores de cadeias de suprimentos enfrentam com o aumento da classe C e sua demanda, escrito por Israel S.
O primeiro livro a entrar nesta seção é o excelente material escrito por Donald Bowersox, no livro Gestão Logística de Cadeias de