Só temos grama verdinha para a Copa de 2014

Só temos grama verdinha para a Copa de 2014

Em maio de 2011 escrevi um artigo sobre a Copa 2014 (Brasil 2014: Com ou sem emoção?) onde chamava atenção aos pontos favoráveis e desfavoráveis para a realização de uma Copa do Mundo em nosso país. Antes de torcer pela nossa Seleção eu torcia para estar errado quanto ao curso que isso tudo tomaria.

grama verdeHoje, às vésperas do evento, é difícil ter o mesmo entusiasmo quanto ao aproveitamento logístico de um evento que poderia nos colocar numa evidência diferente da que conhecemos. Tivemos quase sete anos para nos preparar, faltando três começamos a planejar, licitar e corrigir o que começou com um orçamento de R$ 11 bi, depois foi para R$ 23 bi e vimos que só os aeroportos consumiriam isso e ainda não atenderiam a demanda. E agora olhamos, sentados numa arquibancada, para quase R$ 30 bi e tudo o que vemos são estádios. Embora se divulgue que eles, os estádios, consumiram apenas R$ 9 bi desse total. E o resto?

As obras são financiadas pelas três esferas: municipal, estadual e federal. Embora no lançamento da campanha tenha-se dito que a maior parte dos recursos seria privada. Contudo, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), o dinheiro público representa 98,5%. O Governo Federal tem responsabilidade sobre 261 obras de mobilidade urbana (aquelas para melhorar o transporte e o acesso aos locais do evento). Com o juiz quase apitando para o início da partida, sabe quantas estão prontas? 7. Dessas obras de mobilidade, 36 seriam exclusivas para a Copa, mas apenas 3% estão em andamento. Os estados e municípios atuariam em tantas outras, mas percebemos muito pouco do que foi divulgado e quase nada do que seria necessário.

Infelizmente, ficou aquele bordão: “Para se fazer uma Copa, o Brasil precisa de estádios.” E é só o que temos. E o resto? Impossível fazermos em quatro meses o que não fizemos em quatro anos. Sem contar que o dinheiro já “foi pro mato, pois o jogo era de campeonato!”

A África do Sul gastou R$ 3,8 bi em seus dez estádios para a Copa anterior e hoje não realiza qualquer evento que pague os custos com manutenção – o menor estádio custa quase R$ 2,5 milhões por ano. Ainda bem que não é o nosso caso, pois nossos estádios serão explorados pelos cartolas do futebol brasileiro que, logo que possível, pagarão todos os investimentos […]. Para aqueles estádios onde o futebol do estado não é tão forte, depois que nossos irmãos sul-africanos aprenderem o caminho, talvez a gente os imite nisto também.

Rindo à toa mesmo, só alguns políticos, empreiteiros e a FIFA que bateu recorde de vendas de ingressos para o evento. Não importa se os visitantes desembarcarão no “puxadinho” do aeroporto em Fortaleza já que não dará tempo concluir as obras e tendas serão montadas de improviso; ou se espantarão com as goteiras e filas intermináveis dos aeroportos do Rio e São Paulo; ou se não conseguirem chegar a tempo aos estádios devido à precariedade do trânsito; se alguns segmentos do mercado já corrigiram seus preços em mais de 200%, não importa. O que importa mesmo é que nossa grama está verdinha…

Com todo “interesse e dedicação” ao projeto da Copa, ainda temos que ouvir do Sr. Jérôme Valcke, secretário-geral da FIFA, de que somos desorganizados e deixamos tudo para última hora. Ora, ele pensa que pode mexer com nossos “patrimônios nacionais”? Já não basta interferir no futebol, agora quer mudar o nosso “jeitinho de deixar tudo para última hora”?

Como brasileiro e amante desse país, gostaria que muitas coisas fossem diferentes, mas não dá para ir contra a lógica apresentada. Não dá para enfeitar tudo e fingir que as desigualdades não incomodam e que o Brasil não tem outras prioridades. Não se trata de ser contra ou a favor da Copa, mas perdemos a chance de melhorar a logística dos brasileiros da forma que tanto queríamos e tanto precisávamos, pois todo aquele legado prometido, por enquanto, está só no papel.

Pelo menos a grama já está verdinha… É para ela que alguns – já que muitos não poderão pagar para ver de perto – vão olhar. De lá, não dará para ver a crise na educação, o colapso da saúde e o aumento da violência no país… Yes! Nós temos grama verdinha […].

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Foi Coordenador de Logística na Têxtil COTECE S.A.; Responsável pela Distribuição Logística Norte/Nordeste da Ipiranga Asfaltos; hoje é Consultor na CAP Logística em Asfaltos e Pavimentos (em SP) que, dentre outras atividades, faz pesquisa mercadológica e mapeamento de demanda no Nordeste para grande empresa do ramo; ministra palestras sobre Logística e Mercado de Trabalho.

  • Edinaldo

    Boa tarde a todos. Sem dúvida nenhuma é caso para muita reflexão, quando pensamos em nossas rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, etc. todos em situação precária, abandonada, sem nenhum plano de desenvolvimento, logo vem um temor pelo que nos espera la na frente, nossa educação, saúde, segurança, tudo desmoronando, não vemos nenhuma luz no fim do túnel. Só quem quem ganha é a FIFA e o mercado da bola.

    • Adalberto

      Adalberto, todo. Esse processo e uma vergonha absurda, eu. Fico as vezes mim perguntando ?com tanta roubalheira, somos uma das maiores economia do mundo, temos. Tudo pra ser um país promissor, temos. Uma costa marítima de dar inveja, mais ainda sim sofremos com a falta de estrutura dos nossos portos.

  • Amaury

    Contente mesmo só o clube dos treze e a FIFA!

  • Vivi

    Belo texto. será que um dia a gente aprende?

  • Delhojampa.

    Grama verdinha e BOLA MURCHA.

  • Delhojampa.

    É uma vergonha!!!! Será que isso não causa esse sentimento nas AUTORIDADES DO BRASIL??

  • Marcos, grato pelo post.
    Que situação estamos… assim como você, fico também a me questionar sobre a grama verdinha e seu entorno. Somos um país jovem, quando comparado a grande maioria e como bem sabemos, pois já fomos jovens, a rebeldia e o do contra fazem parte dessa idade.
    Mas, e aí é que o “bicho da grama verde pega” já é tempo de separar a política de curto prazo, da sociedade de longo prazo… algo que, novamente como um ciclo vicioso, fica a girar e girar como a bola que é lançada da área até a do adversário, na esperança que o atacante a controle.
    Que falta faz separar o político do social. Que falta faz adotar o ciclo PDCA. Que falta faz aplicar o 5W2H…. instrumentos fundamentais para o curto, médio e longo prazo.
    Vamos nos preparar, pois o “custo Brasil” vai, com toda certeza, cair como TNT em todos nós, infelizmente.

    • Marcos Costa

      Prezado Rico.
      Boa reflexão. Realmente pensamos de uma forma, agimos de outra e esperamos que o nosso 2+2 seja 5.
      Sabe do que sinto falta? Daqueles meus tempos de jovem. Daquele tempo em que eu pensava que podia mudar o mundo. E eu podia mesmo! Mas, deixei que me convencessem que eu não podia… O mesmo que estão fazendo com nossos jovens de hoje: Atacam seus sonhos com uma educação de baixíssima qualidade; deixam-lhes doentes sem direito a uma saúde digna de ser humano; mostram-lhes que o crime compensa e que a impunidade é uma terna companheira… Esse é o caminho oferecido pela política de curto prazo para a sociedade de longo prazo. E nós aceitamos, mesmo sabendo qual será o resultado, infelizmente.
      Saúde e sucesso.