Tipos de rodovias federais

Tipos de rodovias federais

No post anterior foi discutido um pouco do estado das rodovias brasileiras. Neste você conhecerá melhor os tipos de rodovias e como as numerações delas são formadas.

 

Feita a apresentação das rodovias brasileiras,você conhece as rodovias federais, as BRs, a sua numeração, sabe o que significa? Sabe porque uma BR inicia com 1xx e outra com BR 2xx?

Segundo o site do  DNIT – Departamento Nacional de Infra-Estrutura de transportes, as Rodovias Federais seguem os nomes definidos pelo Plano Nacional de Viação (PNV). A nomenclatura das rodovias é definida pela sigla BR, que significa que a rodovia é federal, seguida por 3 (três) algarismos. O primeiro algarismo indica a categoria da rodovia, de acordo com as definições estabelecidas no Plano Nacional de Viação. Os dois outros algarismos definem a posição, a partir da orientação geral da rodovia, relativamente à Capital Federal e aos limites do País (Norte, Sul, Leste e Oeste).

As rodovias federais, são divididas em Rodovias Radiais, Rodovias Longitudinais, Rodovias Transversais , Rodovias Diagonais e Rodovias de Ligação.

rodovias radiais do Brasil

Rodovias Radiais são as rodovias que partem da Capital Federal (Brasília) em direção aos extremos do País, – o sentido de quilometragem vai do Anel Rodoviário de Brasília em direção aos extremos do país, e tendo o quilometro zero de cada estado no ponto da rodovia mais próximo à capital federal.

Nomenclatura: BR-0XX
Primeiro Algarismo: 0 (zero)
Algarismos Restantes:
A numeração dessas rodovias pode variar de 05 a 95, segundo a razão numérica 05 e no sentido horário. Exemplo: BR-040

rodovias longitudinais do Brasil

Rodovias Longitudinais – São as rodovias que cortam o Brasil de Norte a Sul. o sentido de quilometragem vai do norte para o sul. As únicas exceções deste caso são as BR-163 e BR-174, que tem o sentido de quilometragem do sul para o norte.

Nomenclatura: BR-1XX
Primeiro Algarismo: 1 (um)
Algarismos Restantes:
A numeração varia de 00, no extremo leste do País, a 50, na Capital, e de 50 a 99, no extremo oeste. O número de uma rodovia longitudinal é obtido por interpolação entre 00 e 50, se a rodovia estiver a leste de Brasília, e entre 50 e 99, se estiver a oeste, em função da distância da rodovia ao meridiano da Capital Federal. Exemplos: BR-101, BR-153, BR-174

rodovias transversais do Brasil

Rodovias Transversais – São as rodovias que cortam o país na direção Leste-Oeste.  São as rodovias onde o sentido da quilometragem vai de Leste para Oeste.

Nomenclatura: BR-2XX
Primeiro Algarismo: 2 (dois)
Algarismos Restantes:
A numeração varia de 00, no extremo norte do país, a 50, na Capital Federal, e de 50 a 99 no extremo sul. O número de uma rodovia transversal é obtido por interpolação, entre 00 e 50, se a rodovia estiver ao norte da Capital, e entre 50 e 99, se estiver ao sul, em função da distância da rodovia ao paralelo de Brasília. Exemplos: BR-230, BR-262, BR-290.

rodovias diagonais do Brasil

Rodovias Diagonais – Estas rodovias podem apresentar dois modos de orientação: Noroeste-Sudoeste ou Nordeste-Sudoeste.

Nomenclatura: BR-3XX
Primeiro Algarismo: 3 (três)
Algarismos Restantes:

A numeração dessas rodovias obedece ao critério especificado abaixo:

Diagonais orientadas na direção geral NO-SE: A numeração varia, segundo números pares, de 00, no extremo Nordeste do país, a 50, em Brasília, e de 50 a 98, no extremo Sudoeste.
Obtém-se o número da rodovia mediante interpolação entre os limites consignados, em função da distância da rodovia a uma linha com a direção Noroeste-Sudeste, passando pela Capital Federal. Exemplos: BR-304, BR-324, BR-364.

Diagonais orientadas na direção geral NE-SO: A numeração varia, segundo números ímpares, de 01, no extremo Noroeste do país, a 51, em Brasília, e de 51 a 99, no extremo Sudeste.
Obtém-se o número aproximado da rodovia mediante interpolação entre os limites consignados, em função da distância da rodovia a uma linha com a direção Nordeste-Sudoeste, passando pela Capital Federal. Exemplos: BR-319, BR-365, BR-381.

Por último temos as Rodovias de Ligação, que são as rodovias que apresentam-se em qualquer direção, geralmente ligando rodovias federais, ou pelo menos uma rodovia federal a cidades ou pontos importantes ou ainda nossas fronteiras internacionais.

Nomenclatura: BR-4XX
Primeiro Algarismo: 4 (quatro)
Algarismos Restantes:
A numeração dessas rodovias varia entre 00 e 50, se a rodovia estiver ao norte do paralelo da Capital Federal, e entre 50 e 99, se estiver ao sul desta referência. Exemplos: BR-401 (Boa Vista/RR – Fronteira BRA/GUI), BR-407 (Piripiri/PI – BR-116/PI e Anagé/PI), BR-470 (Navegantes/SC – Camaquã/RS), BR-488 (BR-116/SP – Santuário Nacional de Aparecida/SP).

Superposição de Rodovias

Existem alguns casos de superposições de duas ou mais rodovias. Nestes casos usualmente é adotado o número da rodovia que tem maior importância (normalmente a de maior volume de tráfego) porém, atualmente, já se adota como rodovia representativa do trecho superposto a rodovia de menor número, tendo em vista a operacionalidade dos sistemas computadorizados.

Quilometragem das rodovias

A quilometragem das rodovias não é cumulativa de uma Unidade da Federação para a outra. Logo, toda vez que uma rodovia inicia dentro de uma nova Unidade da Federação, sua quilometragem começa novamente a ser contada a partir de zero. O sentido da quilometragem segue sempre o sentido descrito na Divisão em Trechos do Plano Nacional de Viação e, basicamente, pode ser resumido da forma abaixo:
Rododovias Radiais – o sentido de quilometragem vai do Anel Rodoviário de Brasília em direção aos extremos do país, e tendo o quilometro zero de cada estado no ponto da rodovia mais próximo à capital federal.
Rodovias Longitudinais – o sentido de quilometragem vai do norte para o sul. As únicas exceções deste caso são as BR-163 e BR-174, que tem o sentido de quilometragem do sul para o norte.
Rodovias Tranversais – o sentido de quilometragem vai do leste para o oeste.
Rodovias Diagonais – a quilometragem se inicia no ponto mais ao norte da rodovia indo em direção ao ponto mais ao sul. Como exceções podemos citar as BR-307, BR-364 e BR-392.
Rodovias de Ligação – geralmente a contagem da quilometragem segue do ponto mais ao norte da rodovia para o ponto mais ao sul. No caso de ligação entre duas rodovias federais, a quilometragem começa na rodovia de maior importância.

Fonte: DNIT

 

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Ludmar Rodrigues Coelho é administrador de empresas e possui pós-graduações em MBA Executivo em gestão empresarial pela UFSC e MBA Executivo em Negócios Financeiros pela FGV-RJ.

  • Neto

    Gostaria de informações sobre as Rodovias Verticais! Aguardo retorno!

  • me ajudou muito gostei

  • Vicente

    Gostei muito de pesquisar neste site, pois as respostas são bem simplificadas e de facil entendimento.

    Vicente –
    Aluno do curso de logistica Goiânia.

  • Osmar R. Marinho

    Gostaria de saber se vocês possuem alguns cases de logistica na área da saúde (hospital).

    Grato

    Osmar

    • Olá Osmar, ainda não temos uma matéria que fale sobre logística hospitalar, mas ela está nos planos. Fique atento!
      Abraços

  • Billy Johw – FATEC I

    Muito bom! Sempre tive a curiosidade de saber como éra montada a nomenclatura das rodovias, mas nunca atentei-me a pesquisar.

    Parabéns Leandro!

    • Que bom que gostou! Este artigo não foi escrito por mim, então os parabéns serão retransmitidos ao autor do texto, Ludmar Rodrigues Coelho.