Um apagão de táxis às 4 da tarde?

Na semana passada os leitores votaram no site (no final da matéria sobre como tirar um passageiro de um avião) e escolheram ler sobre táxis nesta semana. Vote no final desta matéria sobre seu assunto preferido para a semana que vem!

apagão de taxisAparentemente é difícil encontrar um táxi entre 4 e 5 da tarde em Manhattan, Nova Iorque. Por quê? Porque este é o horário em que muitos táxis (os carros) trocam de motoristas. Por esta razão, este é um problema fascinante de gerenciamento de capacidade.

A primeira surpresa é que um número enorme de táxis são usados 24 horas por dia em dois turnos de 12 horas. Realmente, Nova Iorque nunca dorme.

Então, temos dois turnos de 12 horas e obviamente um motorista só pode fazer um desses turnos – é preciso escolher uma hora e local para trocar de motorista. O local é muito provavelmente uma garagem no bairo Queens (costumava ser em Manhattan, mas o aluguel ficou muito caro então se mudaram para o Queens). O horário, você já pode imaginar, seria durante um período de pouca demanda. Ou ainda poderia ser dividido de maneira que os ganhos dos dois motoristas fosse equilibrado (e levando em consideração que dirigir de dia é melhor do que dirigir a noite). Leve estas duas coisas em consideração e aparentemente às 4 da tarde é um bom momento para trocar os motoristas. Um deles pega o rush da manhã, o outro o rush da tarde.

O resultado, segundo o New York Times (NYT, 11/jan/11) é um amontoado de táxis vazios às 4 da tarde.

O que deixa esta história realmente interessante é que o pico é muito acentuado. Se 20% dos táxis saem do serviço entre 4 e 5 da tarde, então haveria uma queda acentuada na oferta (e na competição). Seria razoável que mais taxistas quisessem trocar de turnos as 3 pm ou as 6 pm para aproveitar esta baixa oferta. Em outras palavras, por que a troca não é mais suave? Dado que ela é tão acentuada, deve ter alguma razão – talvez seja muito caro fazer em outros horários que não o intervalo 4-5pm.

Uma explicação tem a ver com coordenação. Se um motorista troca de horário as 3, outros as 4, outros as 5 e alguns ainda as 6, o motorista precisa saber quando ele fará sua troca – quando voltar para a garagem se ele está fazendo o turno do dia e quando aparecer na garagem para trabalhar se ele está no turno da noite. Manter registros desses horários acarretaria atrasos que levariam a ter táxis ociosos na garagem. Se todos trocam de turnos as 4-5pm isto torna-se uma regra simples de lembrar: apareça para trabalhar entre 4-5pm! Quando voltar para a garagem? 4-5pm! Ainda assim isto poderia ser resolvido com tecnologia: um computador armazena os horários e envia mensagens aos motoristas sobre quando eles devem estar na garagem. Ou ainda poderia ser resolvido com um horário fixo por mês, algo consistente com o que o motorista se acostumaria. É possível fazer esta transição mais suavemente.

Uma explicação alternativa pode estar na demanda. Talvez a demanda caia de maneira significativa entre 4 e 5 da tarde, então estar dirigindo um táxi neste horário não é vantajoso, mesmo com a queda na oferta. Me soa improvável, mas quem sou eu para conhecer a demanda por táxis em Manhattan entre 4 e 5 da tarde?!

A administração dos táxis está investigando o assunto mas não planeja fazer nada até que se conheçam as verdadeiras raízes do problema. E mesmo que descubram a causa, ainda estariam hesitantes em querer ensinar os taxistas como fazer o seu serviço – talvez os taxistas saibam de algo que não sabemos. “Corrigir” este problema (se é que ele precisa ser corrigido) não vai mudar o mundo, mas é um exercício curioso de gestão da capacidade.

[poll id=”18″]

Baseado no texto “Taxi capacity in NYC – the 4 O’Clock Blip” de Gerard Cachon e Christian Terwiesch, publicado no blog Matching Supply with Demand. Tradução e adaptação feitas por Leandro Callegari Coelho e autorizadas pelos autores exclusivamente para o Logística Descomplicada.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).