Uma revisão das eleições de 2010

Uma revisão das eleições de 2010

 

revisão das eleições de 2010 do brasilO voto informatizado utilizado nas eleições brasileiras comemorou 14 anos de vida em 2010, já que começou a ser implementado em 1996. Mas sua história começou nove anos antes, em 1985, quando foi publicada a Lei que regulamentava a implantação do processamento eletrônico de dados no alistamento eleitoral e a revisão do eleitorado.

Nas eleições municipais de 1996, iniciou-se a implementação do voto eletrônico, quando cerca de um terço do eleitorado brasileiro votou na urna eletrônica. Em 1998, o sistema eletrônico de votação foi utilizado nas eleições gerais (presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e deputados estaduais) sem contemplar todo o eleitorado, mas alcançando 75 milhões de eleitores.

Já nas eleições municipais de 2000, a informatização foi total e, desde então, a Justiça Eleitoral vem ampliando o número de urnas eletrônicas para atender o crescimento do eleitorado brasileiro. Em 2002, o Brasil realizou a primeira eleição geral inteiramente informatizada, e 115 milhões de eleitores digitaram seu voto na urna eletrônica.

Como os dois pilares da Justiça Eleitoral brasileira são a transparência e a segurança, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem investido cada vez mais em tecnologias que visem garantir um sistema de votação ainda mais democrático e seguro. As urnas com leitor biométrico, que possibilitam ao eleitor registrar seu voto por meio da identificação biométrica, é a mais nova dessas tecnologias.

Confira nas tabelas abaixo alguns números das eleições de 2006, 2008 e 2010:

[table id=19 /]

Conheça também o eleitorado por gênero:

[table id=20 /]

As eleições de 2010: apuração dos votos para presidente no segundo turno:

[table id=21 /]

Os 5 Estados com o maior número de seções são: SP com 80.220, MG com 43.851, RJ com 30.911, BA com 30.162 e RS com 25.893.

Os 5 Estados com menor numero de seções são: RR com 893, AP com 1.199, AC com 1.457, TO com 3.226 e RO com 3.373.

Esta eleição custou aos cofres públicos R$ 490 milhões, correspondente a R$ 3,60 por eleitor.

Curiosidades das eleições de 2010

Empate – Entre as 80 cidades brasileiras que têm mais de 200 mil eleitores, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) venceram em 40 cada um. Na soma desses municípios, a petista obteve 52,22% dos votos válidos, contra 47,78% do adversário tucano.

Domínio – A petista Dilma Rousseff ganhou em todos os municípios de quatro estados: Pernambuco, Maranhão, Amazonas e Amapá. No Ceará, José Serra só conseguiu vencer em uma única cidade. Ele liderou a apuração em Viçosa do Ceará, onde teve 51,36% dos votos.

Pouca diferença em BH – Entre os colégios com mais de 200 mil eleitores, a disputa mais acirrada entre Dilma e Serra ocorreu em Belo Horizonte (MG), cidade natal da petista. Apesar do apoio do ex-governador e senador eleito Aécio Neves (PSDB), Serra venceu com uma pequena margem na capital de Minas Gerais. Foram 662.232 votos, contra 651.989 da petista.

Vitória larga na terra de Fidel – Fora do país, Dilma teve quase todos os votos em Havana, Cuba, terra dos irmãos Castro. Foram 248 votos (ou 97,64%), contra apenas seis de José Serra (2,36%).

Maior vantagem – Calumbi (PE) registrou a maior vantagem de Dilma Rousseff. Ela recebeu 96,51% dos votos válidos, contra 3,49% do adversário do PSDB. A vitória mais folgada de Serra foi em Porto Acre (AC), onde recebeu 80,33% dos votos válidos, contra 19,67% da adversária.

Disputa mais acirrada – As duas maiores ocorrências de equilíbrio no segundo turno foram registradas em Jaraguari (MS), onde Dilma ganhou por apenas um voto de vantagem (1.539 contra 1.538), e em Caiçara do Rio do Vento (RN), onde Serra recebeu 1.160 votos, contra 1.159 da petista.

Resultados semelhantes – Quatro cidades tiveram um resultado na eleição presidencial muito parecido ao registrado no país. Em Santa Maria do Herval (RS), Dilma somou 56,03% dos votos, e Serra, 43,97%. Em Maçambara (RS), a petista venceu por 56,04% a 43,96%. Em Diorama (GO), Dilma teve 56,06%, e Serra, 43,94%. Em Luís Antônio (SP), a candidata do PT liderou por 56,07% contra 43,93%.

Maior percentual de brancos – A cidade mineira de Dores de Campos teve o maior percentual de votos em branco do país. O município registrou 5,86%. Depois aparecem Monções (SP), com 5,18%; Grossos (RN), com 4,93%; e Desterro de Entre Rios (MG), com 4,89%.

Menor percentual de brancos – O município de São Félix do Tocantins (TO) registrou apenas um voto em branco (0,14%), menor percentual entre todos os municípios do país. Tonantins (AM) ficou em segundo, com 0,18%, seguido por outra cidade amazonense, Maraã, com 0,23%.

Maior percentual de nulos – Com 12,55%, Cacimbas (PB) registrou o maior percentual de votos nulos do país. Em Geminiano (PI), 11,98% anularam o voto. Em Patos do Piauí (PI), o índice ficou em 11,75%. Outra cidade piauiense, Ribeira do Piauí, teve 11,59% de votos nulos.

Menor percentual de nulos – Em Santa Rita do Trivelato (MT), apenas dez dos 1.075 eleitores que compareceram às urnas anularam seus votos (0,91%), menor percentual registrado no país. Em Westfália (RS), o índice ficou em 0,94%.Em Entre Rios do Oeste (PR), ficou em 1,03%.

A Equipe de Governo da Presidente Dilma Rousseff:

Órgãos com Status de Ministério

Advocacia Geral da União – Luiz Inácio de Lucena  Adams

Banco Central – Alexandre Tombini

Controladoria Geral da União – Jorge Hage

Gabinete de Segurança Institucional – José Elito Carvalho Siqueira

Secretarias com Status de Ministério

Secretaria Geral da Presidência – Gilberto Carvalho

Secretaria de Relações Institucionais – Luiz Sérgio Nóbrega

Secretaria de Comunicação Social – Helena Chagas

Secretaria de Assuntos Estratégicos – Moreira Franco

Secretaria Especial de Política para Mulheres – Iriny Lopes

Secretaria Especial de Políticas de Promoção e Igualdade Racial – Luiza Helena de Barros

Secretaria Especial de Portos – Leônidas Cristino

Secretaria Especial de Direitos Humanos – Maria do Rosário

Ministérios

Casa Civil – Antonio Palocci

Ministério da Fazenda – Guido Mantega

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – Fernando Pimentel

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – Miriam Belchior

Ministério do Desenvolvimento Agrário – Afonso Florence

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Wagner Rossi

Ministério da Justiça – José Eduardo Cardozo

Ministério da Pesca e Aquicultura – Ideli Salvatti

Ministério da Defesa – Nelson Jobim

Ministério de Relações Exteriores – Antonio Patriota

Ministério das Minas e Energia – Edison Lobão

Ministério da Integração Nacional – Fernando Bezrra Coelho

Ministério das Comunicações – Paulo Bernardo

Ministério das Cidades – Mário Negromonte

Ministério do Meio Ambiente – Izabella Teixeira

Ministério da Ciência e Tecnologia – Aloizio Mercadante

Ministério da Cultura – Ana de Hollanda

Ministério dos transportes – Alfredo Nascimento

Ministério do Esporte – Orlando Silva Jr.

Ministério da Educação – Fernando Haddad

Ministério da Previdência Social – Garibaldi Alves

Ministério da Saúde – Alexandre Padilha

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – Tereza Campelo

Ministério do Trabalho e Emprego – Carlos Lupi

Ministério do Turismo – Pedro Novais

Referências:

TSE e Terra

 

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Ludmar Rodrigues Coelho é administrador de empresas e possui pós-graduações em MBA Executivo em gestão empresarial pela UFSC e MBA Executivo em Negócios Financeiros pela FGV-RJ.

  • Eder lorencine

    A nova tecnologia biometrica nas urnas eletronicas sera mesmo de grande valia? não trará mais gastos com os processo? o eleitor enfrentará resistência? tem como vcs me da uma opinião sobre isto?

    tem como voçes me manda estas resposta por mail?

    deste então muito obrigado!

    • Eder, são perguntas que só teremos respostas precisas depois de implantar o sistema.
      Minha opinião é que não teremos este sistema implantado no curto prazo, mas acho válido pois dá mais segurança ao processo. Acredito também que o eleitor brasileiro já está adaptado à urna eletrônica e "esqueceu" os tempos de voto em papel.

  • É de grande valia ais informaçoes,vou imprimir para naõ esquecer,sempre muito importante.Gostaria de perguntar para o Leandro sobre os cursos que o log. desc. iria lancar?