Você fez faculdade, mas o mercado exige experiência – como equilibrar a equação?

Você fez faculdade, mas o mercado exige experiência – como equilibrar a equação?

A situação é uma verdadeira faca de 2 gumes: por um lado, você se esforçou nos estudos e concluiu os cursos adequados; por outro, o mercado exige experiência e não enxerga o seu potencial.

estudos-ou-experienciaMuitos profissionais que terminam a faculdade sem ter feito um estágio encontram certa dificuldade na hora de procurar um emprego. Além dos cursos, o mercado exige experiência, ao menos através de estágios. Por isso eles são tão importantes no processo de formação do profissional, e muitos cursos de graduação colocam o estágio como obrigatório, pois mostram ao aluno a realidade de uma empresa, como as coisas funcionam na prática, e muitas vezes como as coisas que ele viu na teoria não funcionam na prática – dentro da empresa há diferentes interesses, outras prioridades e variáveis sem fim para “bagunçar” a teoria pura e simples ensinada nos bancos escolares.

Vamos começar vendo a situação da empresa: ela quer garantias de que o futuro contratado sabe fazer na prática aquilo que ele deveria ter aprendido. A vida de estudante oferece algumas flexibilidades que o mundo profissional às vezes não comporta: horários desregrados, rotina, hierarquia, normas, procedimentos – alguém que nunca teve chefe nem se submeteu a horários pode ter dificuldade (compreensível) em adaptar-se a essa nova realidade.

Para o recém-formado, não basta conformar-se com a situação, pois isso não lhe dará a experiência necessária. Os programas de trainee são uma ótima opção, pois além de pagarem bem, darem ótima experiência e pesarem muito no currículo, não exigem experiência dos candidatos.

Outra possibilidade é entrar numa empresa através de um estágio voluntário – a empresa pode conferir o seu potencial e você ganha experiência. É uma relação ganha-ganha que deve ser considerada por aqueles que têm a possibilidade de trabalhar algum tempo sem receber um salário.

Não desanime e busque destaque em outras áreas! Mais cursos, mais línguas, mais habilidades de informática. Depois de nossa matéria com o modelo e exemplo de currículo, recebi algumas perguntas que valem a pena serem compartilhadas aqui, pois dão mais peso ao CV e aumentam suas chances:

– você pode mostrar que teve outras experiências durante a faculdade, sem precisar ter feito estágio: aulas de monitoria mostram sua capacidade de interagir e ensinar; participação em empresas júnior são praticamente um estágio autorregulado; outras atividades que dependam de liderança como líder de turma ou chefe de centro acadêmico também são vistos com bons olhos;

– se você recebeu algum prêmio ou reconhecimento, lembre-se de incluí-lo no seu currículo: algumas faculdades oferecem semestralmente (e certamente na formatura) um reconhecimento aos melhores alunos; prêmios por apresentações em congressos/eventos ou por artigos selecionados também demonstram seu potencial em áreas diferentes; tudo isso pode (e deve) servir para dar destaque para você.

Por fim, saiba que existem vantagens em contratar um profissional sem experiência, se ele demonstra ter grande potencial: pegar um profissional “virgem” e moldá-lo conforme as necessidades da empresa é um tesouro, pois ele não tem vícios, não terá dificuldade em mudar de cultura, regras e sistemas.

Veja mais matérias na série especial sobre carreira e profissão na área de logística.

Para não perder nenhuma matéria, você tem várias opções para receber as notícias da maneira que achar mais conveniente: feed, email, Twitter… escolha seu jeito preferido de receber todas as atualizações do site automaticamente.

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o Logística Descomplicada gratuito:

Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. Conheça mais no menu Sobre (acima).

  • Adriano Silva

    Me formei em biomedicina ha 4 anos e nunca consegui sequer uma entrevista. Mesmo tendo tempo na epoca do curso nao aparecia um fuckin estagio pra eu fazer. Acabei me formando sem experiencia.

  • Claudiomir

    Me formei em Recursos Humanos em 2011. Como eu estudava a noite, trabalhava de madrugada, após a faculdade. Nao conseguia mais tempo para um estagio. Morava sozinho e tinha q arca com todas as despesas. E por nao ter experiência foi dificil conseguir algo no ramo. Hj trabalho em supermercados. Realmente me sinto desvalorizado, tanto empenho e esforço e nem direito a uma chance. E cada vez em qualquer funçao se torna mais difícil pois a competiçao e grande.

  • Rafael Silva

    Poderíamos fazer um abaixo assinado virtual com o tema. É uma absurdo isso,na suma maioria dos casos só estarão preparados para as exigências abusivas quem for de uma classe mais elitizada. Faço faculdade pública, não tenho tempo pra mais nada além daquele lugar f@# ,estudo pra p@# pra que?! imagine quem trabalha então?! como posso ter inglês fluente, sap, project… os caramba a quatro sendo que não dá, nunca trabalhei também na área.E você acha que os seus futuros superiores tem tiveram todas estas exigências para adquirir um estágio?É injusto! Quanto ao conhecimento de idiomas , digo , quem veio de escolas muito boas antes de conseguir entrar lá ,já possuíam.Isto não é seleção é segregação!!!!!

    • Caio Cesar Salvador Aguiar

      nao desista Rafael, se tu mostrar interesse profundo e muita forca de vontade nao são os requisitos que irão te tirar da mira dos recrutadores ..já vi muitos casos assim campeão.

      • Giovana Carine Alves

        *Muita força de vontade….É, talvez eu esteja no caminho,porque só faltam ler a minha mente do tanto que desejo uma experiência condizente com o estudo complexo que aprendo diariamente(nossas utopias acadêmicas,que lá foram não passa de um circo ).

    • Adriano Silva

      Verdade. So querem os melhores dos melhores dos melhores. Pqp. Obvio que quem tem mais tempo e recursos conseguira mais vantagens. Pra algumas pessoas so o simples fato de se formar ja foi uma vitoria em meio a tantas adversidades e no fim nao e valorizado pq sempre tem aquele que teve mais oportunidades acabar ganhando a vaga.

  • Thaís Blasi

    to ferrada, me formei no ano passado e não fiz estágio, eu queria muito trabalhar na minha área de radio e tv, mas sem estágio eu acho q vai ser difícil alguém me contratar….só se eu tiver o famoso q.i…quem indica…mas eu não conheço ninguém rsrs…..se tivesse a mtv ainda, eles contratavam umas pessoas nada a ver, que nem eram da área de comunicação….enfim, to ferrada, não sei como eu vou fazer, eu queria trabalhar na área de comunicação, não em um emprego comum, afinal eu não fiz um curso superior á toa né….

    • Giovana

      Thaís bom dia.Bom, não sei se você acha legal,mas tenta um estágio em uma empresa de jornais de circulação no seu Estado,depois que você enveredar pela redação ai você deslancha.Tenho um amigo em Ponta Porã -Mato Grosso,ele fez dessa forma e deu certo.Ele é muito carismático,e cara de pau também,quando perguntaram o que ele queria,ele falou na lata.Ai começou a cobrir Fómula Trunck(não sei como escreve,rs..só sei que é corrida de caminhões).

    • SAM SAMPAIO

      Complicado….tambem não fiz estagio, pois trabalhava de madrugada e quando saia do trabalho ia direto p/ faculdade, mau tinha tempo de dormir… mas é uma pena que não exista uma Lei de incetivo ao recém formado e sem experiencia, ja que aqui no Brasil somente se cumpri algo se for forçado.

  • Giovana

    Sinceramente?Sinto que os jovens foram e ainda estão sendo sabotados.
    Vou formar em 2017,os únicos estágios que tive,foi porque prestei uma prova objetiva(empresas públicas) e mesmo assim,pra editar Power Points para meu chefe dar aula a noite(me senti violentada,ao fazer uma prova objetiva tão complexa pra fazer trabalho de burro).Agora quando participava de processos seletivos(sem prova objetiva).
    Sempre a mesma resposta: “Você não tem experiência” Eu pensava,se você soubesse os cálculos complexos que faço,as noites na madrugada corrigindo possíveis erros de Português para não entregar um trabalho acadêmico lixo…Você não diria isso” (mas nada mais que pensamento).
    As empresas privadas não dão chance.
    Nesses últimos semestres dei uma freada,não quis frequentar mais um semestre sem estágio digno na área….Estou analisando onde e o que devo mudar.
    Sinto que essa sabotagem é o plano dos governantes,dos grandes empresários…
    Estava decepcionada comigo mesma.As empresas,as faculdades vivem do “ter”
    “O que você tem?” e não o ” quem você pode ser”
    Professores despreparados,dizendo que o mundo é dos mata-matas,que você tem que ter círculos de amigos “ricos” “influentes” pra quem sabe…Você ganhar uma boquinha.
    Quando ouvi isso….Desejei ser surda.E olha que era professora de Coaching….Os valores estão invertidos.E sinto que a Faculdade privada,a cada dia que passa,está mais para um circo(eu palhaça) do que para um academia de ensino.
    Ou,as empresas e faculdades não falam a mesma lingua….

    O que significa estágio para as empresas?Pela forma de tratar um estudante,significa
    que estágio= mão de obra barata.

    • Caio Cesar Salvador Aguiar

      Falou muita coisa importante e verdadeira. Bom, os empresários não querem saber do seu potencial, claro que não, é o que vc realmente realiza que conta. Mesmo sem trabalho pode fazer trabalho voluntário,pesquisas e etc..coisas que as empresas estrangeiras valorizam muito, o que voce faz alem de estudar entende? que valor voce cria pra sociedade.
      Ficar parado nao da, melhor pegar qualquer coisa e dai sim procurar seu emprego ideal ja empregada, te garanto!
      E o professor só quiz abrir sua mente..é comprovado que 7 em cada 10 vagas sao de indicação..o mundo é cruel sempre vai ser mas ainda sim há espaço pra aqueles que querem muito( veja esse muito como se tivesse ficado 5 min debaixo dgua e ai sim subir pra pegar uma só respirada.)
      e as empresas realmente tratam o estagio como mao de obra barata…é dever do estagiario fazer de tudo para destacar-se e ai sim quem sabe pegar uma chance.
      Desculpe se falei algo que nao gostou..estou aberto a ouvir tbm,é um assunto que me interessa muito e estou correndo atras de estagio de eng civil..
      mas no fim, nosso país esta um caos…só retrocesso! isso repercute em tudo.

      • Giovana Carine Alves

        Caio César,você foi bem coerente no que disse,gostei do seu posicionamento a respeito dos 5 minutos de respirada,tem momentos que parece que a vida foi programada só pra dizer “NÃO”,”AINDA NÃO”,”AGORA NÃO”,”HOJE NÃO”…Mas tenho ainda uma verde esperança lá no finalzinho do túnel que os 1% pode ser que chegue aos 48 minutos do segundo tempo.Sou extremamente envolvida no meu curso,eu não gosto,eu amo o que faço,recuperação nunca existiu no meu dicionário,talvez seja realmente o que você supôs,uma questão de tempo,realmente a nossa política e companhia é uma negação. Obs:Já fiz vários trabalhos voluntários(desde os 17 anos),só não faço mais porque o TCC está sugando minhas energias(preciso dedicar) . Talvez esses”NÃO(s)” apenas querem dizer:”-Deixa de ser burra,pára de sonhar no Departamento Financeiro porque eu quero é uma Federal pra você(estabilidade),sei lá…Estou aberta também ao diálogo,acho bacana levantar essas questões.

  • Carlos Alberto Lima

    A verdade é que pagamos exorbitantemente caro por cursos superiores que não ensinam absolutamente nada; apenas dão uma introdução genérica de cada matéria oferecida e não capacitam ninguém. Acho que o ensino superior (ou até mesmo as grades escolares inferiores) deveria ser radicalmente reformado, impondo ao aluno uma opção de escolha para especialização em alguma área de seu interesse, nos últimos anos de formação. A classe média e o proletariado já pagam verdadeiras fortunas pra estudar numa universidade, nesse país, e cujo ensino, a propósito, já deveria ser gratuito, pela carga tributária extorsiva a que somos submetidos. Não obstante, temos que assistir à ocupação de nossas faculdades públicas justamente pelos mais abastados, que puderam pagar os melhores cursinhos para ingressarem nessas faculdades ditas “públicas”. Na minha visão, é uma inversão de valores radical e injusta. Pra piorar, ainda me aparecem com essa tal exigência de “experiência”, para que se consiga o primeira emprego. Ora, como vou adquirir experiência se nunca me dão a primeira oportunidade para trabalhar? Isso é patético; é ridículo; e eu não vejo uma única autoridade docente desse país tocar nesse tema. Enquanto não se reformar profundamente esse sistema de ensino débil e ineficiente, engenheiros continuarão trabalhando como telefonistas, médicos como auxiliares administrativos, e por aí vai, com profissionais ocupando áreas absolutamente discrepantes de sua formação acadêmica. No pior dos casos, vão acabar percebendo que seus diplomas não passam de verdadeiros papéis higiênicos ilustres, que podem utilizar para limpar seus traseiros

    • Giovana

      Tenho o mesmo pensamento que você…Nosso ensino sempre foi sabotado.Agora….Mais ainda.E mais!
      ESTÁGIO virou MÃO DE OBRA BARATA.Cheguei a essa conclusão..

      • Carlos Alberto Lima

        Sou formado em engenharia civil e, no meu caso, Giovana, eu tive que me humilhar diante de um professor, que era dono de uma construtura, para que ele me concedesse um estágio na empresa dele, e também me pagavam uma merreca pela dimensão da responsabilidade que me era atribuída. Havia várias ofertas de empregos para estagiários no mural da escola, mas nunca chamavam ninguém. Eles impõem o estágio como um protocolo obrigatório, mas não te dão garantia nenhuma de que você vai consegui-lo. Isso é injusto e patético. No meu caso, não foi só injusto, como também prejudicial e retardante, pois até que eu conseguisse o estágio, tive que permanecer na escola por mais um semestre inteiro, e pagar as mensalidades, claro. Saí no prejuízo e ainda tive que esperar por mais um semestre inteiro pra finalmente pegar o canudo.
        Mas, voltando ao seu ponto, as empresas de fato já perceberam que podem beneficiar-se de estagiários, aproveitando-se da obrigatoriedade do mesmo, imposta pelas universidades. Eu ainda ganhei uma merreca, mas ainda era uma merreca. Muitos colegas de classe fizeram estágios gratuitos: ou faziam o estágio, ou não saíam da escola. Moral da história, como obviamente já era de se esperar: tornam-se vítimas fáceis de empresas gananciosas. Nosso sistema de ensino necessita uma reforma urgente e abrangente

        • Giovana

          Nossa…Ser engenheiro não é pra qualquer um não.O Brasil está passando e sempre passou por crises políticas,e sinceramente?Existe uma “jogada” muito grande por trás da nossa educação.Fizeram do ensino um mercado capitalista.Eu curso Administração, e depois de tantas portas fechadas por dizerem que ”não tenho experiência”,ao invés de chorar a sofrência no quarto e ficar pagando condução que nem uma idiota indo pra faculdade e nenhum retorno de estágio decente,como tenho integral,resolvi trancar esse antepenúltimo semestre e estou estudando horário integral para passar num concurso(não por $).Só quero a dignidade de mostrar que sou competente,que sou honesta.E embora não ter experiência(e ainda por cima não ter nascido com estrela na testa),não vou baixar a guarda pra esse sistema Maçon apodrecido.Já estagiei por R$364.00,não aguentei,fiquei 8 meses devido não pagarem passagem e ficar editando power point.Não sou revoltada sabe.Mas mesmo que ninguém acredite no meu potencial,eu vou estudar 300 x mais e nunca mais(que Deus sele no céu) vou bater na porta da CLT.
          Obs:Seu perfil encaixaria muito bem como um Auditor Fiscal(te aconselho o que estou fazendo,partindo para o plano B).

          • Carlos Alberto Lima

            Sim, claro que existe. Somos deliberadamente programados para tornarmos reféns dessa quadrilha da Educação brasileira. Como eu mencionei, depois do bacharelado ainda temos o ônus de pagar pós-graduações, mestrados, doutorados, e por aí vaí, como se cinco anos de faculdade (no meu caso) não fossem suficientes para capacitar uma pessoa. Obviamente, tudo para manter essa engrenagem corrupta que assola não só a Educação, como todo o sistema brasileiro. Como se já não bastasse essa competição selvagem do mercado de trabalho, ainda temos tido que lidar com essa crise política sem precedentes, que tem nos assolado ultimamente.
            Eu já passei num concurso público e, embora fosse empregado, sempre encarei o meu local de trabalho como se fosse meu; como se eu estivesse no meu próprio escritório, como autônomo, tendo que dar o meu melhor para a minha própria prosperidade, e desempenhei minhas funções da forma mais diligente e responsável possível.
            Aliás, já que vc falou de concursos públicos, creio que boa parte dos candidatos acabem por optar pelo serviço público justamente pela desnecessidade da experiência profissional, esse verdadeiro flagelo que acompanha boa parte dos aspirantes ao mercado de trabalho, apesar de muitos vagas públicas também exigirem experiência.
            Eu tenho tentado alguns concursos públicos, também, e fui aprovado em um, ano passado, mas perdi a vaga depois que faltei a uma das etapas do concurso, e então eu fui eliminado. Agradeço sua sugestão…rs, mas prefiro deixar essa vaga pra você (quem sabe? Rs). Concursos na área de auditoria fiscal exigem muito Direito, e eu tenho um bloqueio mental especial para com Direito. É minha maior assombração nesses concursos…rs. Ainda estou no aguardo de algum que me apeteça, mas ultimamente não tem aparecido nada que me interesse.
            Desejo-lhe boa sorte em sua empreitada, como postulante ao serviço público

          • Giovana

            Carlos,eu também tinha um bloqueio ENORME em Direito muito grande,mas estou trabalhando com Mnemônicos,você mesmo deve fazer o seu,sei que é loucura,mas tenho feito isso,nunca fiquei em recuperação na facul por causa disso,mais tarde descobri na net que isso se chama Mnemônico.Estuda por tópicos,gosto muito dos sites> aprova concursos e Qconcursos(prática de exercícios com respostas). Lá você busca por tópico sobre a matéria que você quer aprender…Teve uma matéria na facul que tive que se chama transportes(tem a ver com logística).Nossa,que dificuldade eu tive,e o professor negava conhecimento(só porque se formou na UFMG se achava um Deus),ai eu decidi trabalhar conforme o cérebro pede,dividir em pedacinhos tudo que é complexo,assim,venci o Dragão.
            Eu vejo os estudos como um jogo de gamer(jogo mesmo,adoro..rs),você tem que passar as fases por mais difícil que seja,então você usa de táticas e estratégicas.A mesma disposição que uso pra zerar um jogo,uso também pra zerar uma matéria ou disciplina. Vá por mim.
            Pense como um gamer….Ninguém te pára,nem os seus medos!!!

          • Giovana

            *vence,vence com i é pra matar….kkkkk

          • Felipe Jones

            Olá, Giovana! Uma vez mais, obrigado pela sugestão. Estou esperando algum concurso com uma carga menor de Direito, como lhe havia dito. O Aprova Concursos eu conheço, e de fato é ótimo.
            Boa sorte nas suas empreitadas, e saudações de um gamer a outro gamer! Rs! Tenho um PS3, e também sou viciado…rs. Abraço!

          • Giovana

            Muito obrigada pela sorte lançada…Ah fala sério cara,monta um PC top,que ai roda tudo,to montando um novo pra pegar a nova geração…De pouquinho em pouquinho chego lá…Rs…kkkk,brincadeira,monta se quiser viu?

            Saudações e torço para que em breve você poste aqui
            que deu um Fatality nesse “sistema opressor”.

  • Carlos Alberto Lima

    A verdade é que pagamos exorbitantemente caro por cursos superiores que não ensinam absolutamente nada; apenas dão uma introdução genérica de cada matéria oferecida e não capacitam ninguém. Acho que o ensino superior (ou até mesmo as grades escolares inferiores) deveria ser radicalmente reformado, impondo ao aluno uma opção de escolha para especialização em alguma área de seu interesse, nos últimos anos de formação. A classe média e o proletariado já pagam verdadeiras fortunas pra estudar numa universidade, nesse país, e cujo ensino, a propósito, já deveria ser gratuito, pela carga tributária extorsiva a que somos submetidos. Não obstante, temos que assistir à ocupação de nossas faculdades públicas justamente pelos mais abastados, que puderam pagar os melhores cursinhos para ingressarem nessas faculdades ditas “públicas”. Na minha visão, é uma inversão de valores radical e injusta. Pra piorar, ainda me aparecem com essa tal exigência de “experiência”, para que se consiga o primeira emprego. Ora, como vou adquirir experiência se nunca me dão a primeira oportunidade para trabalhar? Isso é patético; é ridículo; e eu não vejo uma única autoridade docente desse país tocar nesse tema. Enquanto não se reformar profundamente esse sistema de ensino débil e ineficiente, muitos nunca superarão o dilema do desemprego

  • Assis

    Como devo me comportar diante de uma entrevista pois sempre quis fazer logística e hoje estou cursando e tenho certeza que de fato é isso mesmo que quero pro meu futuro.

  • Estou passando por essa situação. Me formei em logistica em 2010 e até hoje não trabalho na área. Não tenho experiencia e trabalho num emprego nada haver!
    Procuro por emprego todos os meses. Mando currículos para as empresas do ramo e não consegui nenhuma entrevista ainda.
    Confesso que anda sem rumo. Rsrs. Não sei onde estou errando. Rs.
    Mas lendo alguns artigos aqui no site, tive alguns exemplos de, por exemplo, me oferecer a trabalhar/estagiar sem ganhar.
    Porém, preciso equilibrar a necessidade de trabalhar remunerado com a opção de aprender numa empresa a profissão que escolhi.
    Preciso equilibrar também a relação entre me especializar mais…
    É muito difícil e não sei por onde começar!
    Aos que têm mais experiências de vida e profissão, peço dicas, conselhos, o que puderem para me ajudar.
    Desde já, sou grata pelo site. 🙂

  • Diogo

    Boa tarde à todos, sou estudante do terceiro ano de engenharia de produção e sou tecnólogo em gestão de TI, nunca atuei com o segundo, mas foi lá que aprendi a gostar de logística e me fez entrar em engenharia.

    Não sei se por eu ainda estar na metade do curso ou se meu curso de gestão afasta potenciais empregadores, fato é que na região de Sorocaba/SP está bastante difícil obter um estágio na área de logística. Atualmente sou estagiário em órgão público (não posso ser efetivado), mas meu contrato acaba agora em Setembro e estou realmente preocupado, pois dependo do salário para pagar a minha graduação (e que por ser baixo, não me deixa fazer cursos complementares que eu gostaria muito).

    Uma grande barreira que eu tenho visto é que até para estágio está sendo necessário o tal do QI (quem indicou), é um fator que eu acho totalmente frustrante pois, se por um lado se tem a confiança de que se alguém indicou, vale a pena, por outro tem se perdido grandes profissionais.

    Se alguém tiver algumas dicas.. Por favor, compartilhe comigo e com mais pessoas, como encontrar o caminho do pote de ouro.
    Obrigado, sou fan do logística descomplicada há alguns anos já.

  • SOU ESTUDANTE DE LOG. E FAÇO ESTAGIO VOLUNTARIO,QUANDO ME CANDIDATEI O DONO DA EMPRESA SUSPENDEU UMA CONTRATAÇÃO POR CONTA DO SERVIÇO QUE EU IA PRESTAR, JÁ TENHO 3 MESES E VOU CONCLUIR OS 06 PARA TER A FAMOSA EXPERIENCIA NA ÁREA,TODOS ACHAM QUE SOU DOIDA POR ISSO,MAS PENSEI NUM DIFERENCIAL E EXECUTO DESTE A LIMPEZA ATÉ OS PROCESSOS DA ÁREA O QUE ME DEIXA SATISFEITA PORQUE ESTOU APRENDENDO,TAMBÉM… SÓ DESSA FORMA PARA CONSEGUIR UM ESTÁGIO JÁ QUE O SETOR É MASCULINO,MAS NÃO TER EXPERIENCIA TAMBÉM CONCORDO COM UM TREINAMENTO DE LAPIDAÇÃO,RESTA SABER QUEM CONTRATA.

    • Caio Cesar Salvador Aguiar

      nao te contratam pq vc escreve de caps look

  • MARCOS

    gostei do artigo, sou formado em administraçao em dezembro de 2008 e nem estagio fiz, e acredito que a cada dia que passa fica mais dificil ingressar no mercado de tabalho principalmente para os graduados

  • Muito boa a forma como foi articulado o assunto, não costumo comentar, mas desta vez não tive escolha.

    Abraços.