Desempenho

Desempenho e performance

Desempenho
Indicadores de desempenho para o setor de movimentação e armazenagem

Indicadores de desempenho para o setor de movimentação e armazenagem

Depois de entender o que são os indicadores de desempenho, saber o que levar em consideração para escolher bons indicadores de desempenho e conhecer alguns exemplos de indicadores de desempenho para o setor de transportes, chegou a hora de conhecer alguns exemplos para o setor de movimentação e armazenagem.

Depois do setor de transportes, este é talvez o mais conhecido dentro da logística. Envolve a parte de movimentação interna e a guarda dos produtos dentro do armazém. Fazer o controle efetivo destas atividades é, portanto, essencial para qualquer empresa que mantenha estoques de seus produtos.

Como destacado nas matérias anteriores, cada empresa deve adaptar os indicadores para suas necessidades particulares e nem todo indicador é apropriado para todas as empresas. Portanto, considere os exemplos abaixo com cautela e leia as matérias relacionadas abaixo se você deseja implantar algum destes indicadores de desempenho logístico em sua empresa.

Desempenho
Indicadores de desempenho (KPI) para transportes

Indicadores de desempenho (KPI) para transportes

Você tem acompanhado as últimas matérias que trataram sobre a importância dos indicadores de desempenho e sobre como escolher bons KPIs para sua empresa.

Nesta matéria veremos alguns exemplos de indicadores de desempenho para o setor de transportes, um dos mais importantes para a logística e para o mercado de modo geral, pois seu custo tem impacto direto nas finanças das empresas e no custo dos produtos pagos pelo consumidor final.

Para conhecer mais sobre o setor de transportes, veja estas matérias: Brasil é o último em ranking de transporte, Custo Brasil – situação do transporte de cargas e Pesquisa Infraestrutura: rodovias brasileiras.

Agora vamos mostrar alguns indicadores, o que eles significam e como devem ser calculados:

Desempenho
Como melhorar suas operações usando indicadores de desempenho?

Como melhorar suas operações usando indicadores de desempenho?

Os indicadores de desempenho, também chamados de KPIs (key performance indicators) são medidas de desempenho quantificáveis que ajudam as empresas a definir, avaliar, acompanhar e melhorar seu desempenho em áreas consideradas importantes para a organização.

Por refletirem aspectos estratégicos da empresa, devem ser cuidadosamente selecionados, para que os colaboradores possam olhar para o indicador, tentar melhorá-lo, e com isso, melhorar o desempenho geral da empresa. Assim, servem para direcionar os esforços da equipe para aquilo que a alta gerência considera importante.

Mas quais são os indicadores mais indicados para cada empresa? O segredo é customizar a seleção dos indicadores, para que eles reflitam uma situação que é única para cada empresa. Não se deve utilizar todos os indicadores disponíveis, isto seria uma enorme perda de tempo. Aqui, a regra do Pareto é válida: poucos são vitais, a maioria é trivial. Um departamento que tenha 5 bons KPIs está no caminho certo para direcionar seus esforços para a melhoria contínua naqueles itens escolhidos, que serão sua vantagem competitiva.

Desempenho
Indicadores de Desempenho Logístico (KPI)

Indicadores de Desempenho Logístico (KPI)

Os indicadores de desempenho, também chamados de Indicadores Chave de Desempenho (ou Key Performance Indicator – KPI – em inglês) servem para avaliar e medir o nível de desempenho de processos chaves para a empresa.

São muito utilizados pela alta gerência para direcionar os esforços dos colaboradores e funcionários para a melhoria dos índices mais importantes.

Os indicadores de desempenho são únicos para cada empresa, pois devem refletir a estratégia da mesma. Assim, na área de logística, para algumas empresas um indicador importante será relacionado ao tempo, enquanto para outras será o custo ou a qualidade.

Além disso, os indicadores de desempenho devem ser usados não apenas para avaliar processos internos, mas também os processos externos, avaliando os parceiros da cadeia de suprimentos.

Desempenho
Terremotos, vulcões e outros riscos para as cadeias de suprimentos

Terremotos, vulcões e outros riscos para as cadeias de suprimentos

Você lembra do vulcão da Islândia que em abril de 2010 lançou cinzas na atmosfera e fechou o espaço aéreo europeu, causando atrasos e prejuízos para milhares de pessoas? Se você quer lembrar desta história, veja nossa matéria daquela semana Vulcão, caos aéreo na Europa e a logística. Não foram apenas pessoas em férias que tiveram sua rotina afetada. Como você pode imaginar, muitas empresas sofreram com os atrasos e algumas pararam sua produção por falta de matéria-prima.

No terremoto que abalou o Japão na última sexta-feira (11/mar/2011), a situação não foi diferente. Além das vidas perdidas, houve muitos danos materiais além de aeroportos e estações de trem fechadas. Grandes fábricas de carros suspenderam suas atividades em decorrência da catástofre. O mercado norte-americano deve sofrer um desabastecimento de alguns modelos da Toyota em função desta suspensão.

Uma das tendências dos últimos 20 anos é de buscar fornecedores no mundo todo e comprar de poucos deles. A justificativa é muito boa. Ao escolher fornecedores ao redor do mundo é possível encontrar preços mais baixos, tecnologia melhor e as melhores técnicas. Ao comprar de poucos fornecedores você evita variação dos produtos e pode concentrar-se em melhorias, tanto no design do componente quanto no seu processo de produção. Mas essa estratégia também significa tornar-se mais vulnerável a riscos tão peculiares (e improváveis) quanto um vulcão ou um grande terremoto.

Fila no Porto de Santos para exportação de açúcar

fila de navios no Porto de SantosA exportação recorde de açúcar pelo porto de Santos, no litoral paulista, o maior do país, causou um estrangulamento das operações em terra e no mar. Os caminhões do interior carregados com açúcar em sacos ou a granel (solto na caçamba) demoram pelo menos o triplo do que deveriam para descarregar suas cargas nos navios.

Os caminhões deveriam fazer a operação toda em três a quatro horas, mas chegam a bater em 12 horas ou até 36 horas em casos extremos.

O resultado foi uma fila de 116 navios ancorados em frente às praias de Santos, segundo a Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo), estatal que administra o terminal.

Isto mostra o lado positivo de que o Brasil está conseguindo exportar mais, gerando faturamento extra aos produtores. Por outro lado, revela uma realidade em que a logística brasileira está sucateada: transportar produtos de baixo valor agregado por longas distâncias por caminhões não é o ideal. Este tipo de transporte pode ser feito de maneira mais segura, barata e eficiente usando trilhos, que infelizmente não são realidade no Brasil. Os caminhões poluem mais, superlotam as estradas, aumentando os custos e o tempo de percurso para outros motoristas ou outras cargas que não são recomendadas para os trens.

Além do transporte do interior até o litoral ser ineficiente, mostra como o maior porto do país opera muito próximo à capacidade, sem folga operacional para lidar com uma demanda extra como neste caso.

Logística de transportes e distribuição – caso do Wal-Mart

A maior rede varejista do planeta, o Wal-Mart, planeja mais um importante passo rumo a excelência de seus serviços logísticos. Na década de 80 o Wal-Mart foi o pioneiro na implantação do sistema VMI – onde os estoques nas lojas do Wal-Mart eram controlados pelo fornecedor dos produtos (conheça mais sobre VMI nesta matéria).

Desta vez, o Wal-Mart quer ser o responsável pelo transporte dos produtos de quase todos os fornecedores para as mais de 4.000 lojas nos Estados Unidos. A idéia é assumir este transporte quando o Wal-Mart for capaz de realizar o mesmo serviço com custos menores, pois a rede tem escala suficiente para fazer o transporte de qualquer produto melhor que a maioria dos fabricantes o faz atualmente: desde comida para cachorro até cadeiras de jardim. “Isso permitirá liberar nossos fornecedores para fazer o que fazem de melhor: fabricar produtos para nós”, destaca o Vice-Presidente de Transporte Corporativo da rede. E com preços menores, as vendas tendem a aumentar.

Como fazer um sistema desse tamanho dar certo?

O PAC realmente acelera o crescimento?

O Programa de Aceleração do Crescimento lançado pelo governo federal em janeiro de 2007 previa realizar um amplo conjunto de políticas econômicas a fim de melhorar o crescimento econômico do Brasil. Por um período de 4 anos (até 2010), a previsão era de investir mais de R$ 500 bilhões em infra-estrutura, transportes, energia, dentre outros.

Deste montante, o governo federal investiria R$ 67 bilhões, ficando o resto a cargo dos bancos de investimento, das estatais e de empresas privadas.

Após 8 meses do programa (agosto de 2007), 40% das obras ainda não haviam saído do papel, estando em fases de planejamento, licitação ou projeto. Após 3 anos, apenas 15% das obras estavam completas (junho de 2009). Atualmente o governo afirma acompanhar 2.471 obras, das quais metade diz estar concluída.

Pages