brasil

Brasil melhora em ranking de desempenho logístico

Brasil subiu 20 posições no ranking de desempenho logístico do Banco Mundial, mas ainda há muito o que melhorar.

Foi publicado o novo relatório do Banco Mundial contendo os índices de desempenho logísticos dos países. Em comparação com o relatório anterior, de 2007, nesta vez o Brasil teve um significativo salto de qualidade, ganhando 20 posições e sendo o líder da América Latina. Conheça detalhes nos próximos parágrafos.

O Brasil encontra-se em 41º no ranking composto por 155 países, liderados pela Alemanha. É importante destacar que neste relatório o Brasil subiu 20 posições, sendo agora o líder da América Latina, sendo seguido de perto por Argentina, Chile e México (48º, 49º e 50º, respectivamente). Na nota de zero a 5, o Brasil fica com 3,20, ou quase 30% pior que o líder, que obteve 4,11.

Dia do comércio exterior

Hoje, 28 de janeiro, é dia do comércio exterior.

Nada mais justo do que prestar uma singela homenagem ao setor. Iniciamos uma “corrente” de blogs e twitter‘s para falar um pouco sobre o assunto. Meu convite veio através do Blog Brascomex, colega e parceiro do mundo virtual na logística.

Vou tratar da balança comercial, que depende fortemente da força das exportações e do comércio exterior.

Em 2009, a Balança Comercial Brasileira fechou em superávit de pouco mais de US$ 24,5 bilhões. Exportamos em torno de US$ 152 bilhões e importamos aproximadamente US$ 127 bilhões.

Se considerarmos os 250 dias úteis do ano, isso representa uma média diária de mais de US$ 600 milhões de dólares em produtos vendidos no exterior.

Outro dado importante referente à este assunto é o papel que a China tem tomado no comércio exterior brasileiro. Também em 2009, os EUA deixaram de ser o principal parceiro comercial do Brasil, sendo ultrapassados pelos chineses. O Brasil exportou para a China pouco mais de US$ 20,1 bilhões, e importou daquele país US$ 15,9 bilhões, um saldo bastante favorável.

Com os EUA, a situação se inverte e importamos mais do que exportamos: US$ 20,1 e US$ 15,7, um acumulado marginalmente inferior àquele com o comércio Chinês, e fortemente desfavorável às nossas indústrias e comércio.

Precisamos fortalecer ainda mais a indústria local, e a logística é fonte de competitividade, para que nossos saldos fiquem cada vez mais favoráveis. Confira a matéria em que comparo a infra-estrutura do Brasil com a de outros países: Logística brasileira – qual nossa situação? .

Continuando a “comemoração” e o debate do dia do comércio exterior, convido todos os leitores para visitar o Twitter do Logística Descomplicada

Brasil reafirma seu pioneirismo na produção do etanol

Como parte de uma iniciativa para diversificar as fontes de suprimento para geração de energia elétrica e estimular a produção de combustíveis renováveis, a Petrobras inaugurou nesta terça-feira, 19, a conversão da primeira térmica do mundo a operar com etanol, na usina termelétrica de Juiz de Fora (MG). A cerimônia contou com a presença do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

A usina, que faz parte do parque gerador da estatal petrolífera, operava apenas com gás natural e inovará suas operações passando a operar no sistema flex-fuel (bicombustível). Inédita no mundo, a operação com etanol, iniciada no último dia 31 de dezembro, encontra-se em testes para otimização.

A escolha da unidade mineira para a conversão foi motivada principalmente pela disponibilidade de área e pelas turbinas derivadas do uso aeronáutico, que já eram utilizadas na UTE JF.

Pioneiro no uso do etanol para veículos e o segundo produtor mundial desse combustível renovável, o País abre uma nova fronteira para o uso do etanol no mercado mundial: a geração de energia elétrica, tanto no país como no exterior. Países importadores de combustíveis líquidos e gasosos, como o Japão, são mercados potenciais para esse uso.

Avanço do Bric ainda não altera o centro do poder

Na avaliação do Financial Times, liderança dos emergentes fica para mais tarde

Coloque um jaguar, um urso, um tigre e um panda juntos e você poderá ter um bom espetáculo, mas não terá uma vida sossegada. Essa é a definição do Financial Times para a situação do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), na série especial preparada pelo jornal britânico sobre o grupo dos principais emergentes do mundo.

Na avaliação do FT, apesar do avanço econômico dos últimos anos, esses países ainda não estão prontos para liderar uma mudança do centro de poder global, principalmente em razão das fortes diferenças existentes entre eles.

“Uma década de crescimento rápido não é suficiente para o Bric pegar o bastão da liderança econômica global dos Estados Unidos e da Europa Ocidental”, diz a publicação. O grupo pode ter surpreendido o mundo com o seu progresso nos últimos dez anos, mas será preciso uma melhora qualitativa, assim como mais crescimento, para consolidar a mudança de poder, avalia o Finacial Times.

Conforme o Goldman Sachs, que inventou o acrônimo, a China deve se tornar a maior economia do mundo antes de 2030. Atualmente, o grupo já tem maior fatia do comércio mundial do que os EUA. O movimento é reconhecido pelos investidores: as ações dos países que formam o Brics encerraram a década valendo mais do que o dobro na comparação com 2005, diz o jornal. Há uma década, apenas um deles tinha grau de investimento, hoje todos possuem. Há apenas 12 anos, o calote da Rússia e a crise cambial brasileira balançavam o mundo, agora esses países acumulam vastas reservas.

Logística brasileira: qual nossa situação?

Há muitos anos ouvimos que o Brasil é o país do futuro, e ultimamente começamos a acreditar nisso, por conta de diversas conjecturas que colocam o Brasil em destaque no mundo. O carro-chefe desta atenção talvez seja o termo BRIC, que representa os 4 países em desenvolvimento que mais têm potencial (e mais tem crescido) no mundo: Brasil, Rússia, Índia e China. O termo foi usado pela primeira vez pelo banco de investimentos Goldman Sachs em 2001. Os BRIC reunem, além da economia em ascenção, mais de 40% da população mundial e aproximadamente 25% da área terrestre do planeta.

Vamos analisar mais de perto um pouco da logística do Brasil, e fazer uma comparação com os outros 3 competidores (sim, competimos num mercado global, então chamarei os outros países de competidores).

rodoviaFaremos uma análise da infra-estrutura viária do Brasil, e ver até que ponto podemos disputar mercado em questão de qualidade, custos e tempo com o resto do BRIC.

Rodovias

Todo estudante de logística sabe que no Brasil as rodovias têm papel de destaque no transporte de mercadorias, apesar da enorme costa e dos rios navegáveis. Este privilégio do modal rodoviário em detrimento aos outros modais data do início da república brasileira. Estudos colocam aproximadamente 60% das cargas nacionais sendo transportadas pelas rodovias. Isso é fato. Outro fato é que para percursos longos (acima de uns 150 km), as rodovias não são o meio de transporte mais adequado, perdendo em competitividade e custos para as ferrovias. Mas no Brasil tem caminhão rodando de norte à sul, mais de 3000 km…

E não pára por aí: apenas 11% das nossas estradas são pavimentadas. Pasmem, 11%. Temos aproximdamente 1,7 milhão de quilômetros de rodovias, e apenas uns 200 mil km pavimentados. E o resto do BRIC? A Rússia tem mais de 600 mil km de rodovias asfaltadas, enquanto Índia e China tem, cada uma, em torno de 1,5 milhão de km de rodovias asfaltadas. É como colocar asfalto em TODAS as rodovias brasileiras… Se quisermos comparar fora do BRIC, aí vira brincadeira: os EUA têm mais de 4 milhões de km de rodovias asfaltadas, mais do que a soma dos BRIC.

Pages