estratégia

Quantos centros de distribuição minha empresa deve ter?

centro de distribição - logísticaA pergunta do título deste artigo é bem simples: quantos centros de distribuição devemos ter? Esta é uma pergunta bastante comum em qualquer empresa que ofereça produtos ao mercado. Existem alguns métodos matemáticos capazes de responder a esta pergunta, mas poucos são capazes de levar em consideração os diversos aspectos que são influenciados por esta decisão.

Neste artigo vamos fazer uma análise completa dos problemas relacionados à decisão do número de centros de distribuição (CD):

1)      Qual a missão do CD?

2)      Qual o design do CD?

3)      Qual a localização do CD?

4)      Qual a utilidade operacional do CD?

O primeiro problema diz respeito à, por exemplo, quais produtos deverão ser estocados em cada CD, e qual a relação deste depósito nas estratégias da empresa (estratégias como nível de serviço, quantidade de estoques e formas de transporte).

Série: Administrando a Produção 1 – VMI e TOC

Em recentes matérias aqui no logística Descomplicada vimos que diferentes sistemas produtivos e diferentes estratégias são utilizados pelas empresas, e que a identificação e a escolha adequada destes elementos define a vantagem competitiva da organização e pode resultar em grande sucesso (ou fracasso).

Hoje iniciamos a Série Administrando a Produção: serão três matérias que visam explicar um pouco mais sobre alguns sistemas ou tecnologias utilizadas para administrar a produção e agilizar o sistema logístico.

Começamos hoje explicando os sistemas VMI (Vender Managed Inventory) e TOC (Teoria das Restrições). Na quarta-feira o próximo artigo abordará os sistemas Just in Time e Kanban. O último artigo desta série vai ao ar na sexta-feira e trará explicações sobre a Pesquisa Operacional e a Teoria das Filas.

Aproveite! Veja agora o que são e pra que servem o Vendor Managed Inventory e a Teoria das Restrições.

Estratégias e vantagens competitivas

Por Leandro Callegari Coelho*

estratégias e vantagens competitivas - corrida no mercadoA decisão de concorrer num mercado competitivo depende muito da estratégia adotada, que definirá qual será a vantagem competitiva da empresa.

Tradicionalmente, as vantagens competitivas são diferenciação (um produto exclusivo, diferente) ou custo (produto mais barato que a concorrência). Vamos incluir nesta lista a agilidade, que representa a velocidade com a qual a empresa dá respostas às solicitações do mercado.

Assim, temos opção de trabalhar com três diferentes vantagens competitivas:

– diferenciação: o melhor;

– custo: o mais barato;

– agilidade: o mais rápido.

Logística de classe mundial – parte 2

Logística de classe mundial – parte 2

Esta matéria será dividida em duas partes:

Parte 1: Pesquisas preliminares para identificar fatores e características históricas que levaram ao desenvolvimento da logística de classe mundial.

Parte 2: Discussões sobre as qualidades de uma empresa com logística de classe mundial e conclusões.

Texto de autoria de Neimar Follmann e Douglas Hörner

1 – GENERALIZAÇÃO

Elaborar e melhor entender os aspectos fundamentais de uma performance logística superior.

A partir do modelo elaborado na pesquisa da Liderança da Vantagem Logística, desenvolveu-se outro com base nos dados das pesquisas e entrevistas. E este é o que demonstra os quatro pontos chave necessários para que se alcance um nível logístico de classe mundial.

Este modelo destaca quatro competências:

Comparando os diferentes sistemas produtivos e suas estratégias

Matéria de autoria de Leandro Callegari Coelho publicada originalmente no portal INBRASC.

Muito se fala no ambiente competitivo, mas pouco se tem discutido sobre os caminhos que as empresas escolhem para se destacarem dos concorrentes no mercado. A competição obriga as empresas a reverem seus posicionamentos estratégicos, e com isso, revisar suas estratégias de manufatura.

A escolha da estratégia mais adequada poderá ser determinante para o futuro da organização: seja ele o sucesso ou o fracasso. Com a escolha do sistema mais adequado, espera-se obter melhor desempenho, notadamente melhorando os seguintes critérios diferenciadores: qualidade, preço, time to market (tempo decorrido entre a concepção de um produto e a sua posterior disponibilização para o consumidor) e agilidade.

A escolha da melhor estratégia de produção pode levar a uma das quatro alternativas seguintes: (1) fábricas especializadas em uma única função (um produto ou um pequeno grupo de produtos similares), (2) produção enxuta (lean manufacturing), (3) customização em massa, ou (4) produção ágil.

Vamos avaliar cada uma destas estratégias, comparando-as com os processos de produção em massa, nos quesitos de objetivo, como o modelo atinge o objetivo proposto e suas principais características.

Formulação de estratégias para a sustentabilidade dos transportes

Texto de autoria de Letícia Dexheimer, Cláudio Müller e Luís Antônio Lindau, apresentado no XXII Congresso de Pesquisa e Ensino em transportes (ANPET), 2008.

Formulação de estratégias para a sustentabilidade corporativa: uma abordagem para o transporte de cargas

A sustentabilidade corporativa trata do compromisso empresarial para com o desenvolvimento sustentável. Em organizações sustentáveis o cuidado com o meio ambiente e o bem estar das partes interessadas devem fazer parte da estratégia básica de negócios da empresa de modo a proporcionar a constante melhoria da sua própria reputação. No caso da atividade de transporte de cargas problemas como poluição do ar, poluição sonora, congestionamentos e acidentes causam impactos negativos na vida das pessoas. Este artigo tem como principal objetivo propor diretrizes para a formulação de estratégias sustentáveis para empresas de transporte rodoviário de cargas, e assim, reduzir os impactos negativos dessa atividade na qualidade de vida e garantir a permanência do negócio a longo prazo.  Foi realizada uma revisão teórica sobre a formulação de estratégias nas empresas e a busca pela sustentabilidade corporativa. Baseado nessa revisão, é apresentada uma proposta de como conduzir a empresa de forma sustentável.

1. INTRODUÇÃO
Bernardes e Ferreira (2003) lembram que durante o século XIX se achava que a natureza seria uma fonte ilimitada de recursos à disposição do homem. Com base nesta concepção, desenvolveram-se práticas de exploração intensa dos recursos naturais, com efeitos danosos para a natureza e para os homens. Achava-se que o crescimento econômico não teria limites e que o desenvolvimento significaria dominar a natureza e os homens. Durante as décadas de 50 e 60 do século passado o termo desenvolvimento foi associado com crescimento econômico e industrialização, mas ainda nesta época não eram considerados os danos ambientais deles advindos (Fogliatti et al, 2004).

Opções para estratégias de operações globais

artigo de autoria de Leandro Callegari Coelho publicado originalmente nos portais Newscomex e IBCELOG:

Opções para estratégias de operações globais

No mercado competitivo e globalizado em que muitas empresas competem, é preciso levar em consideração a dimensão internacional que os negócios e as estratégias têm tomado. Estas empresas, chamadas de organizações multinacionais (em contraste com as empresas locais, nacionais ou domésticas), têm seu mercado e seu fornecimento em escala global: compram matérias-primas, fabricam e vendem produtos e serviços em diversos países.

A maneira como os gestores destas empresas abordam as oportunidades globais define a estratégia que elas utilizarão para comprar, produzir e vender nesta escala mundial. Enquanto algumas zelam por sua exclusividade e o apelo que a marca produz, outras visam alcançar o maior número possível de consumidores com custos cada vez mais baixos.

Estas estratégias podem ser classificadas em quatro grupos: internacional, multidoméstica, global e transnacional. Vejamos algumas características de cada uma destas alternativas.

MBA? Não, Obrigado!

MBA? Não, Obrigado!: Uma visão crítica Sobre a Gestão e a gestão e o desenvolvimento de gerentes. Este é o título desta obra de Henry…

O Processo da Estratégia

No complexo mundo das organizações, são necessários vários conceitos para esclarecer e iluminar os aspectos peculiares dessa complexidade. Mintzberg, Lampel, Quinn e Ghoshal acreditam que…
Pages