obras

Obras que não acabam mais

Obras que não acabam mais

Demorou, mas as autoridades já chegaram a um consenso: a questão da ampliação de acessos ao Porto de Santos não pode ficar concentrada na solução…
É preciso executar as obras

É preciso executar as obras

O anúncio do pacote que alterou a Lei nº 8630/93 e criou um novo marco regulatório, ao que parece, só teve um grande objetivo: mascarar…
Desafio logística 2012

Desafio logística 2012

Ano novo, resoluções para 2012 e vemos pela frente muitos desafios. As empresas se perguntam onde investir, em qual área colocar mais recursos, qual profissional…

Vídeo sobre a Artéria Central de Boston – parte 2

A Artéria Central de Boston é um importante conjunto de rodovias que cruza o coração da cidade. Com o aumento do tráfego urbano, a rodovia precisou passar por drásticas mudanças, num mega projeto que durou mais de 10 anos e custou mais de 20 bilhões de dólares. Envolveu a construção de estradas, túneis e pontes, sem interferir com a rodovia existenta para não tornar ainda mais caótico o trânsito da cidade.

Para algumas informações extras sobre o projeto leia a matéria “Um mega projeto de engenharia e logística – a Artéria Central de Boston“. Veja nos vídeos a seguir a continuação da reportagem sobre as obras. A primeira parte do vídeo está publicada em Artéria Central de Boston parte 1.

Continuação:

Vídeo sobre a Artéria Central de Boston – parte 1

A Artéria Central de Boston é um importante conjunto de rodovias que cruza o coração da cidade. Com o aumento do tráfego urbano, a rodovia precisou passar por drásticas mudanças, num mega projeto que durou mais de 10 anos e custou mais de 20 bilhões de dólares. Envolveu a construção de estradas, túneis e pontes, sem interferir com a rodovia existenta para não tornar ainda mais caótico o trânsito da cidade.

Para algumas informações extras sobre o projeto leia a matéria “Um mega projeto de engenharia e logística – a Artéria Central de Boston“. Veja nos dois vídeos a seguir o início da reportagem sobre as obras. O restante do vídeo está publicado na parte 2 desta matéria.

Continuação do vídeo:

Porto de Imbituba (SC) – reformas antes do prazo

Porto de ImbitubaObra aumentará em 47% a capacidade atual dos portos catarinenses. Prazo de conclusão do novo cais pode ser adiantado em até cinco meses.

Com uma nova infraestrutura de 660 metros de comprimento de cais acostável (410m em construção e 250m em recuperação), o Porto de Imbituba firma-se como uma das principais molas propulsoras do desenvolvimento da região Sul de Santa Catarina. No valor aproximado de R$ 153 milhões investidos pelo Tecon Imbituba, a obra aumentará em 47% a capacidade atual dos portos catarinenses. E as boas notícias não param por aí: a Construtora Andrade Gutierrez pretende concluir a ampliação do cais dos berços 1 e 2 cinco meses antes do prazo, que é abril de 2011.

De acordo com o engenheiro responsável pela obra, José Santos, todos os esforços concentram-se na entrega da ampliação dos berços 1 e 2 em aproximadamente um ano. “A obra iniciou em janeiro de 2009 e o nosso objetivo é entregar o novo cais, com área total de 20.500 metros quadrados, no final de 2010”, afirmou Santos, gerente de obras da Construtora Andrade Gutierrez.

As obras civis iniciadas em janeiro de 2009 compreendem a ampliação dos berços 1 e 2 do terminal, a qual inclui a construção de um novo cais com 410 metros de comprimento por 50 metros de largura e o alargamento dos berços existentes com 250 metros de comprimento, em 12 metros de largura, assim como a recuperação estrutural complementar.

Para o engenheiro, Imbituba reservou surpresas e muito aprendizado a todos os envolvidos. “A paralisação em função do bate-estaca poderia ter comprometido todo o cronograma da obra. Porém, após a implantação do Programa de Monitoramento das Baleias Francas, percebemos que o comprometimento de nossa equipe impulsionou ainda mais os trabalhos. Agora, com o fim da temporada das baleias, precisamos contar com a estabilidade do tempo para adiantarmos a cravação das estacas”, destacou Santos.

“Desafio é criar uma alternativa na cadeia logística