presidente

Uma revisão das eleições de 2010

Uma revisão das eleições de 2010

 

revisão das eleições de 2010 do brasilO voto informatizado utilizado nas eleições brasileiras comemorou 14 anos de vida em 2010, já que começou a ser implementado em 1996. Mas sua história começou nove anos antes, em 1985, quando foi publicada a Lei que regulamentava a implantação do processamento eletrônico de dados no alistamento eleitoral e a revisão do eleitorado.

Nas eleições municipais de 1996, iniciou-se a implementação do voto eletrônico, quando cerca de um terço do eleitorado brasileiro votou na urna eletrônica. Em 1998, o sistema eletrônico de votação foi utilizado nas eleições gerais (presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e deputados estaduais) sem contemplar todo o eleitorado, mas alcançando 75 milhões de eleitores.

Já nas eleições municipais de 2000, a informatização foi total e, desde então, a Justiça Eleitoral vem ampliando o número de urnas eletrônicas para atender o crescimento do eleitorado brasileiro. Em 2002, o Brasil realizou a primeira eleição geral inteiramente informatizada, e 115 milhões de eleitores digitaram seu voto na urna eletrônica.

Logística das urnas para eleição – 2º turno das eleições no Brasil

urnas eletrônicas - eleições 2010Para que você possa chegar à sua seção eleitoral e digitar seus votos na urna eletrônica, muito trabalho foi feito nos dias anteriores. Mais de 400.000 urnas eletrônicas precisam estar disponíveis e funcionando no momento da votação.

Com algumas semanas de antecedência, os TREs enviam as urnas para os cartórios eleitorais, que atuam como depósitos centrais para algumas cidades. Assim as urnas já ficam mais próximas dos destinos. As urnas permanecem nos cartórios até a véspera das eleições, quando é feito o procedimento de carregamento dos dados (dos candidatos e eleitores), é posto um lacre e então elas são enviadas para as zonas eleitorais (sempre com a supervisão dos partidos políticos).

Depois de feito o procedimento de lacre é que começa a verdadeira corrida eleitoral, pois as urnas são levadas para os locais definitivos de votação. Alguns locais recebem urnas extras, para servirem de backup (substitutas) caso alguma urna apresente problemas.

O que falta para o real desenvolvimento do Brasil

o que falta para o desenvolvimento do BrasilJá discutimos como a qualificação profissional é importante para o sucesso na carreira; já abordamos também que questões estruturais precisam ser resolvidas se quisermos manter um crescimento sustentável de nossa economia e indústria. Mas o Brasil sofre com um problema ainda maior: o analfabetismo funcional.

Pelo menos 75% dos brasileiros não dominam a leitura, a escrita e a matemática. Isso se reflete não só no mercado de trabalho, mas na sociedade de maneira geral. Um candidato a Deputado Federal é alvo de investigações por suspeita de ser analfabeto (analfabetos não podem se candidatar), e ainda assim é o mais votado do Brasil. Isso mostra que o baixíssimo nível de escolaridade se reflete em outros analfabetismos, como o analfabetismo político. O palhaço Tiririca fez uma campanha baseada na piada, zoando o processo eleitoral e ainda consegue mais de 1,3 milhões de votos. Não é surpresa que partes do governo funcionem mal.

Para pôr o Brasil num novo patamar de desenvolvimento econômico e social, o presidente eleito terá que desatar os nós que ainda emperram o crescimento sustentado do país. Investir fortemente em educação, saúde e segurança, aprovar reformas essenciais no Congresso e resolver os gargalos na infraestrutura. Os problemas na área social, na economia e na política aparecem em estatísticas e análises de especialistas.

Propostas dos candidatos à presidência para a área de logística

Entre aeroportos com atrasos, rodovias em péssimo estado, sistema de transporte ferroviário praticamente inexistente e portos operando próximos da capacidade, nos encontramos em período eleitoral. Muitas promessas e algumas perspectivas diferentes entre os principais candidatos.

JOSÉ SERRA DILMA ROUSSEFF MARINA SILVASem entrar na questão partidária ou de afinidade com um ou outro candidato (não quero fazer nenhum tipo de debate político, defendendo um ou outro partido/candidato), vamos analisar as propostas dos 3 principais candidatos ao cargo de Presidente da República no que toca as questões de logística, infra-estrutura e transportes.

Todas as informações foram retiradas dos sites dos candidatos e do programa de governo que foi entregue ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Os dados abaixo foram selecionados para dar a ênfase das propostas dos candidatos nas questões que afetam a logística, e não discutirei o mérito, capacidade nem viabilidade das propostas para não ser acusado de fazer propaganda para um ou outro candidato. Fica a critério do leitor fazer esta análise. Os documentos utilizados (os mesmos apresentados ao TSE) estão disponíveis para download no final desta matéria. A ordem de apresentação segue a ordem alfabética dos nomes, e analisaremos os 3 principais candidatos segundo as pesquisas de intenção de voto: Dilma Rousseff, José Serra e Marina Silva.

Depois de ler as propostas e analisar os documentos, responda a enquete ao final da matéria: Se a eleição fosse hoje, em quem você votaria?